Greve geral em França. Sob pressão, Governo acelera negociações

Publié le 6 décembre 2019

Greve geral em França. Sob pressão, Governo acelera negociações. França está mesmo em greve geral contra a revisão do sistema das pensões de reforma. Depois do êxito de mobilização do primeiro dia de greve (800 mil pessoas nas ruas, segundo números oficiais), hoje é dia de assembleias gerais por todo o país. Greve prossegue, manifestações também, e Governo começa a recuar.

Alfa/Expresso. Por Daniel Ribeiro

Bastou a este repórter um pequeno “passeio” matinal na capital francesa para constatar a realidade de que a greve geral saiu reforçada do primeiro dia (ontem), de paralisação quase total do país, onde decorreram imensos protestos nas ruas (sindicatos avançam com 1,5 milhões de manifestantes, o Governo com 800 mil).

Hoje, continua a verificar-se uma penúria quase total de transportes públicos, começa mesmo a faltar gasolina nas bombas, e há assembleias gerais de assalariados por todo o lado. Em Paris, as reuniões até decorrem em estações das linhas do metropolitano, como constatou o Expresso nos ramais números 6 e 9. Em todas se vota, por unanimidade e com um visível entusiasmo, pela continuação da greve e por mais manifestações.

As direções das principais centrais sindicais também apelaram, hoje, ao fim da manhã, ao endurecimento da greve e ao reforço das manifestações, designadamente para um novo “dia negro”, provavelmente mais forte do que o de ontem, na terça-feira, 10, véspera de uma anunciada “comunicação ao país” do primeiro-ministro, Édouard Philippe.

Amanhã, sábado, também decorrerão novas manifestações, designadamente em Paris, com os “coletes amarelos” e os desempregados a entrarem num movimento que os mais ousados desejam “revolucionário e de conjugação das lutas e dos descontentamentos contra Macron”, que continua a ser considerado como sendo o “presidente dos ricos”.

Ontem, verificaram-se incidentes em Paris entre polícia e manifestantes mais radicais, durante pelo menos três horas e o Governo, colocado sob forte pressão, começa a dar sinais de cedência.

Os sindicatos pedem a retirada do projeto de revisão do sistema de cálculo das pensões de reforma que o Governo e o Presidente Emmanuel Macron pretendem implementar – em nome da universalidade do sistema e do fim de 42 regimes especiais de reforma,  pretendem substituir o método atual de repartição solidária das pensões entre gerações pelo de “pontos”, calculados anualmente, com base nos descontos dos assalariados e dos défices das contas públicas e da segurança social.

Os sindicatos consideram que “todos os trabalhadores” vão perder direitos (e dinheiro) com a reforma do sistema e, ontem, além de funcionários públicos, ferroviários e motoristas de autocarros, viam-se também nas ruas advogados, professores, estudantes, médicos, enfermeiros, empregados de refinarias, etc.

O Governo começou já a ceder sobre os “regimes especiais”, designadamente na polícia e promete, agora, aumentos salariais aos professores.

Receando a “conjugação das lutas e dos descontentamentos” e uma revolta de muito maior envergadura no país, o executivo anunciou uma aceleração do calendário das negociações com os sindicatos e marcou uma reunião entre as duas partes já para a próxima segunda-feira.

O objetivo é tentar limitar a contestação porque para amanhã, sábado, estão marcadas novas manifestações que podem provocar incidentes e confrontos violentos e, sobretudo, porque, para terça-feira, foi convocado pelos sindicatos mais um “dia negro”, com o país de novo completamente paralisado.


Rádio Alfa FM 98.6 Paris (On Air)

La radio de la lusophonie et des échanges interculturels de toute l'île de France

Piste actuelle
TITRE
ARTISTE

Background