CGD em Paris escapou à fúria deste sábado

Publié le 2 décembre 2018

O banco português antecipou-se à violência e protegeu, na véspera dos ataques dos elementos mais radicais ligados à revolta dos “coletes amarelos”, a sua maior agência na capital de França. Só um vidro está partido, este,  do lado da avenue Marceau, não do lado da agência:

(Imagens captadas ao fim da manhã de domingo, 2 de dezembro de 2018, que mostram a fachada da principal agência em Paris da Caixa Geral de Depósitos, localizada a cerca de cem metros da Place de L’Étoile e do Arco do Triunfo (zona alta dos Campos Elísios), no número 98 da avenida de Iéna.)
Imagens captadas ao fim da manhã de domingo, 2 de dezembro de 2018, que mostram a fachada da principal agência em Paris da Caixa Geral de Depósitos, localizada a cerca de cem metros da Place de L’Étoile e do Arco do Triunfo (zona alta dos Campos Elísios), no número 98 da avenida de Iéna
Imagens captadas ao fim da manhã de domingo, 2 de dezembro de 2018, que mostram a fachada da principal agência em Paris da Caixa Geral de Depósitos, localizada a cerca de cem metros da Place de L’Étoile e do Arco do Triunfo (zona alta dos Campos Elísios), no número 98 da avenida de Iéna
Imagens captadas ao fim da manhã de domingo, 2 de dezembro de 2018, que mostram a fachada da principal agência em Paris da Caixa Geral de Depósitos, localizada a cerca de cem metros da Place de L’Étoile e do Arco do Triunfo (zona alta dos Campos Elísios), no número 98 da avenida de Iéna

Alfa/Expresso. Por Daniel Ribeiro

Apenas um vidro foi partido. Ao lado do banco português, diversas outras agências, de outros bancos, foram atacadas, e algumas vandalizadas e assaltadas.

As avenidas de Iéna e de Kleber, bem como a de Presbourg e Marceau e todas as da zona dos Campos Elísios, onde está instalada esta agência da CGD, foram muito afetadas pela guerrilha urbana que atingiu Paris este sábado, durante horas a fio.

Mas não foi apenas a CGD que, aparentemente tomou precauções, porque até agora não há notícia de outros estabelecimentos de comércio portugueses vandalizados.

“Até agora (12h em Paris, 11h em Lisboa) não houve qualquer chamada para o nosso telefone de emergência, que temos sempre aberto no Consulado, nestas ocasiões”, disse ao Expresso o Cônsul-Geral de Portugal em Paris, António Albuquerque Moniz.


Opinions des lecteurs

Laisser un commentaire

Votre adresse email ne sera pas publiée. Les champs requis sont indiqués avec *


Dernier Flash Info

Info | 16/12/2018 15:00:00

Radio Alfa FM 98.6 Paris (On Air)

La radio de la lusophonie et des échanges interculturels de toute l'île de France

Piste actuelle
TITRE
ARTISTE

Background