Clube oficial de fãs da Eurovisão espera « experiência única » em Lisboa

Publié le 6 mars 2018

A Organização Geral dos Amantes da Eurovisão (OGAE) congrega 10 mil euro-festivaleiros.

A sua delegação portuguesa tem 200 associados que têm como denominador comum o amor pelo Festival Eurovisão da Canção. Ano após ano, dezenas de membros acompanham a comitiva portuguesa —onde quer que esta vá—, com as bandeiras do país em riste. E mesmo que Portugal não participe — como já aconteceu no passado recente — o núcleo nacional da OGAE faz-se representar ainda assim.

Estiveram presentes em Guimarães, na final do Festival da Canção que coroou a canção O Jardim — composta por Isaura e interpretada em conjunto pela compositora e por Cláudia Pascoal — como grande vencedora e próxima representante de Portugal na Eurovisão.

“Foi um espectáculo com boa produção, diversificado e apelativo. Uma mini-Eurovisão”. Foi desta forma que José Garcia, presidente da OGAE Portugal, classificou o evento do passado domingo. A canção escolhida reúne consenso no grupo e alimenta a esperança de surpreender novamente: “Esperamos um bom resultado porque iremos apresentar um produto de qualidade e estamos confiantes que isso vai ser perceptível aos europeus”, diz ao PÚBLICO.

Após 49 participações sem sucesso, Portugal conseguiu conquistar o troféu do Festival Eurovisão da Canção na edição de 2017, em Kiev. Para além do troféu, o país terá a oportunidade de, pela primeira vez, ser o anfitrião do acontecimento. Mas muito antes de a canção portuguesa ser a grande vencedora — e numa altura em que a simples passagem à fase final era vista como um feito hercúleo—, um grupo de portugueses marcava presença em todos os festivais, apoiando os intérpretes do nosso país.

José Garcia explica que a OGAE conta com 40 delegações internacionais, distribuídas pelos países participantes — e não só. Brasil, Canadá, Chile e muitos outros países que não participam na competição estão agregados na delegação “Resto do Mundo” da OGAE, que junta os fãs dos países que — ainda — estão fora da Eurovisão.

Fundada há quase 20 anos e legalizada em 2009, a OGAE portuguesa esteve representada nos festivais da Eurovisão nas suas últimas nove edições, garante José Garcia. Independentemente da distância e do custo da “aventura”— que ultrapassa os milhares de euros —, os membros fazem-se ouvir e ver.

As bandeiras portuguesas que vimos na televisão em festivais anteriores eram, em muitos dos casos, carregadas por membros da delegação. “A procura da igualdade, a defesa da liberdade de expressão e a competição saudável” são, nas palavras do presidente da delegação portuguesa, os principais valores do grupo.

Os artistas que representam Portugal têm uma grande cumplicidade com estes fãs dedicados. “Um dos objectivos da OGAE é criar esse contacto entre o artista e o fã”, destaca José Garcia. Para que este exista são realizadas várias actividades: desde jantares a pequenos concertos no país anfitrião, que permitem ao representante português sentir o carinho e apoio do público, mas também cativar os fãs de outros países e conquistar votos preciosos.

Bilhetes esgotados

José Garcia admite que “se deu uma duplicação do número de membros” do grupo após a vitória de Salvador Sobral em Kiev, na edição passada da competição. “Todos os dias nos chegam novos pedidos”, afirma o presidente.

Todas as delegações da OGAE têm direito a 1700 pacotes de bilhetes para a final deste ano, que terá lugar na Altice Arena, em Lisboa. A delegação portuguesa, na qualidade de anfitriã, teve direito a 200 destes pacotes que garantem presença em todas as eliminatórias do festival. O custo varia entre os 350 e os 600 euros, mediante as zonas escolhidas. Todos esses pacotes, diz José Garcia, esgotaram meses antes de o festival se realizar. José admite que “não imaginava” que Portugal iria vencer, mas tudo mudou quando viu “a recepção apoteótica de Salvador Sobral em Kiev”. A partir desse momento, foi feita história.

Para a edição de 2018, o presidente da OGAE Portugal está confiante mas reconhece que será quase impossível superar “a experiência Salvador Sobral”, como lhe chama. As diferentes OGAE irão cooperar para tornar o festival deste ano “uma experiência única”. As festividades começam no dia 6 de Maio e prolongam-se até ao final da competição, com a criação da Eurovision Village (Aldeia da Eurovisão) no Terreiro do Paço, onde os fãs poderão assistir às diferentes eliminatórias.

A grande final realiza-se a 12 de Maio e os bilhetes esgotaram em pouco mais de quatro horas, deixando milhares de pessoas sem o tão cobiçado ingresso.

Alfa/publico.pt


Reader's opinions

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *


Dernière Flash Info

Info | 22/05/2018 23:00:00

BONS PLANS

Radio Alfa FM 98.6 Paris (On Air)

La radio de la lusophonie et des échanges interculturels de toute l'île de France

Piste actuelle
TITRE
ARTISTE

Background