Coletes amarelos. Ato V. Governo pede tréguas. “Polícia está cansada”

Publié le 15 décembre 2018

Governo pede tréguas aos ‘coletes amarelos’ na sequência do ataque jiadista em Estrasburgo e da comunicação ao país de Emmanuel Macron

Alfa/Expresso. Adaptação de um trabalho publicado este sábado na edição semanal do Expresso. Por Daniel Ribeiro

Com a morte de Cherif Chekatt, abatido pela polícia anteontem, às 21 horas, em Estrasburgo, os franceses respiraram de alívio, sobretudo os alsacianos, que não vislumbravam o regresso a uma vida calma durante as 48 horas que o “terrorista do mercado de Natal” andou em fuga. Antes de morrer, o homem que matou três pessoas e feriu 13 ainda abriu fogo contra os agentes da lei numa rua do bairro de Neudorf.

O ataque do islamita — 29 anos, 27 condenações por delitos comuns em França, na Alemanha e na Suíça —, ao início da noite de terça-feira, travou o debate que decorria no país desde o discurso do Presidente francês, na véspera. Emmanuel Macron fez cedências aos ‘coletes amarelos’.

O Governo jogou a unidade nacional contra o terrorismo e pediu aos ‘coletes’ para não saírem à rua, no chamado Ato V, hoje, o quinto sábado consecutivo de manifestações pelo aumento do poder de compra e contra as desigualdades sociais. Diversos governantes argumentaram com a segurança e o cansaço das forças policiais, que terão, a um tempo, de tentar controlar concentrações e bloqueios de estradas e prevenir ou combater eventuais novos atentados.

O movimento dos ‘coletes amarelos’ está dividido entre radicais e moderados, e o êxito do Ato V é incerto, devido ao clima sombrio que o terrorismo instalou de novo no país. O discurso de Macron teve receção positiva entre certas categorias de ‘coletes’, abrindo portas a um “diálogo social por todo o país” nos próximos meses.

MOÇÃO DE CENSURA FALHOU

Durante um debate na Assembleia Nacional, quinta-feira ao fim do dia, de uma moção de censura apresentada pelo conjunto da esquerda e apoiada pela extrema-direita (chumbada, como se previa), o primeiro-ministro assegurou que o Executivo está a avançar em duas das principais reivindicações dos ‘coletes’: justiça fiscal e poder de compra. Édouard Philippe socorreu-se do “grande debate nacional” anunciado pelo Presidente, a arrancar nas próximas semanas.

O chefe do Governo foi impreciso, contudo, no que toca ao financiamento de algumas das medidas mais importantes anunciadas por Macron — suspensão de parte das contribuições sociais dos reformados que recebem pensões até 2000 euros, aumento do salário mínimo em 100 euros e horas extraordinárias de trabalho sem imposto —, que custarão 10 mil milhões de euros ao Estado.

A esta estimativa devem somar-se pelo menos 4000 milhões de euros relacionados com o anterior recuo no aumento dos preços dos combustíveis, gás e eletricidade. Philippe disse apenas que na próxima semana serão apresentadas “medidas de poupança orçamental e receita relacionadas com as empresas”.

As principais cedências de Macron aos ‘coletes amarelos’ custarão 10 mil milhões de euros ao Estado

Também quinta-feira, em Bruxelas, Macron surgiu fragilizado perante os parceiros europeus, mas tentou tranquilizá-los sobre o prosseguimento das reformas no seu país e o respeito pelos critérios do défice na zona euro. Afirmou que não desistiu da sua ambição de “reconstruir a Europa”. Já numa reunião com deputados franceses, terça-feira, justificou a derrapagem orçamental: “Em momentos de crise, as contas são secundárias.” No discurso que fez ao país, quase pediu desculpa aos franceses por ter parecido arrogante e, aos ‘coletes’, disse: “A vossa cólera é justa.”

Em Bruxelas, o chefe de Estado francês falava aos europeus depois de ter estado dois dias consecutivos em reuniões, no Palácio do Eliseu, com banqueiros e grandes empresários. Macron e Philippe foram obrigados a recuar devido à dimensão que a revolta dos ‘coletes amarelos’ atingiu. Esperam para ver o que acontecerá nas ruas este fim de semana.

Muitos dos ativistas continuam a pedir mais: aumentos gerais dos salários e das pensões mais baixas, reposição do imposto sobre a fortuna que Macron revogou e, no campo político, introdução do sistema proporcional na lei eleitoral para as legislativas e referendos de iniciativa popular.

Depois da comunicação do Presidente e do atentado de Estrasburgo, os ‘coletes amarelos’ continuam a ser apoiados por mais de 70% dos franceses, segundo uma sondagem divulgada ontem. Todavia, o mesmo estudo indica que apenas 52% pensam que o movimento deva continuar na rua, ao passo que 48% defendem que os ‘coletes’ devem entrar em negociações.

Diversas personalidades, incluindo da direita, socialistas e sindicalistas moderados, que até agora apoiavam o protesto, pediram uma atitude “razoável”. Os ‘coletes’, que ontem continuavam a bloquear estradas, garantem que o Ato V vai acontecer. “O povo vai continuar a gritar”, afirmou um deles, numa rotunda da Bretanha. “A polícia está cansada”, reconheceu o porta-voz do Governo, Benjamin Griveaux.


Opinions des lecteurs

Laisser un commentaire


Rádio Alfa FM 98.6 Paris (On Air)

La radio de la lusophonie et des échanges interculturels de toute l'île de France

Piste actuelle
TITRE
ARTISTE

Background