“Coletes amarelos” provocam caos em França. Um morto e dezenas de feridos

Publié le 17 novembre 2018

Movimento “cidadão”, inédito e sem controlo político ou sindical contra aumento dos preços dos combustíveis, bloqueava ao meio dia deste sábado mais de dois mil locais em todo o país. Nessa altura, números oficiais registavam um morto e 47 feridos, três deles em estado grave. Autoridades receiam mais complicações durante a tarde e que a revolta alastre.

Alfa/Expresso. Por Daniel Ribeiro  (adaptação)

O Governo e o Presidente Emmanuel Macron demoraram a compreender o movimento inédito dos “coletes amarelos”, que se desenvolveu de forma “espontânea”, durante várias semanas, na internet, e está hoje a bloquear a França inteira.

Mas, depois de ele ter sido desencadeado, às sete da manhã deste sábado, continuaram a demonstrar que continuavam a não compreender a evidente revolta dos franceses de base contra as elites, designadamente contra o que grande parte chama “o Presidente dos ricos”, os aumentos dos impostos, das contribuições sociais, a baixa do poder de compra e das reformas.

O ministro do Interior, Christophe Castaner, continuava, ao meio dia deste sábado, a seguir o movimento num autêntico posto de comando, rodeado de polícias, “gendarmes” e “prefeitos”, como se estivesse perante uma revolução.

Nem ele nem ninguém no poder pareciam perceber que algo de profundo se passava, que a França estava bloqueada de lés a lés e que conflitos eclodiam minuto a minuto nas barragens que atingiam mais de dois mil locais, fazendo feridos e mesmo um morto.

Ao meio dia, o ministério do Interior anunciou que foram contabilizados oficialmente, em todo o país, um pouco mais de 124 mil manifestantes, mas o número parecia subavaliado.

Por exemplo, dentro da cidade de Paris circulavam esta manhã muito poucos automóveis, como constatou este repórter. A capital estava bloqueada no “Peripherique”, a autoestrada circular que envolve a cidade. E decorriam manifestações, a pé, em pleno centro, no meio de uma grande e delicada confusão, na zona dos Campos Elíseos.

O mesmo acontecia em muitas outras zonas e cidades do hexágono, de Nice e Avignon a Bordéus e a Lille.

A maioria dos incidentes que provocaram um morto e feridos resultaram de conflitos entre manifestantes e outros cidadãos que tentaram forçar barragens e também de confrontos com forças da ordem.

Nas manifestações, os “coletes amarelos” gritam palavras de ordem contra os aumentos dos preços dos combustíveis, a baixa do poder de compra e pedem alto e bom som a demissão do Presidente e do Governo.

Numa entrevista, a meio da semana, Emmanuel Macron reconheceu que, durante os seus 18 meses no poder, falhou um dos seus principais objetivos: “reconciliar o povo francês com os seus dirigentes”.

Governo e Presidente receiam que o movimento alastre e prossiga durante a noite e nos próximos dias – no fundo temem consequências políticas, que ele beneficie a extrema-direita e a extrema-esquerda, a alguns meses das eleições europeias.

(leia mais no Expresso, edição semanal)

Foto: AFP/Sébastien Bozon


Opinions des lecteurs

Laisser un commentaire


Rádio Alfa FM 98.6 Paris (On Air)

La radio de la lusophonie et des échanges interculturels de toute l'île de France

Piste actuelle
TITRE
ARTISTE

Background