“Coletes”. Chegou a hora da verdade para Emmanuel Macron

Publié le 10 décembre 2018

“Coletes amarelos”. Chegou a hora da verdade para Emmanuel Macron, que fala esta noite ao país. Os tumultos e a revolta dos “coletes” encostaram o jovem Presidente francês à parede. Macron fala esta noite à nação, nas televisões. Se falhar, morreu. A França continuará a arder até ele cair. E Marine le Pen ficará com a porta do poder aberta.

Emmanuel Macron, com o primeiro-ministro Edouard Philippe (em segundo plano), vai ser obrigado a recuar. Foto: YOAN VALAT / EPA

Alfa/Expresso. Por Daniel Ribeiro (adaptação)

A comunicação de Emmanuel Macron ao país (esta noite, à hora dos telejornais – 19h em Lisboa) está a gerar tantas ou mais expectativas no país do que uma final de um Mundial de futebol disputada pela França.

Depois de quatro sábados consecutivos de violência extrema e de manifestações muito radicalizadas em todo o país, o jovem chefe de Estado (41 anos), sem passado político e com muito pouca experiência nessa área, joga tudo esta noite.

Emmanuel Macron chegou ao poder máximo em França depois do seu antecessor, François Hollande, o ter chamado para o seu Governo, por ser um brilhante economista com uma carreira excecional num conhecido banco de negócios (Rothschild).

Depois de entrar no Executivo, manobrou nos bastidores, traiu Hollande e ganhou as presidenciais da primavera de 2017 graças a um movimento original que lançou e porque, na segunda volta, teve pela frente a líder nacionalista e populista, Marine le Pen, que a maioria dos franceses não quis.

O seu movimento chamava-se “Em Marcha” e era algo inédito no país. Macron lançou os seus “marcheurs” (caminhantes) e eles foram de porta em porta, literalmente, dizer aos franceses, quase um a um, que a forma de fazer política em França iria mudar com ele no Eliseu. Prometeu tudo e, designadamente, que seria um Presidente que sempre escutaria os seus compatriotas e que nunca deixaria de estar em contacto com eles.

Nas eleições, Macron destruiu todos os partidos, menos o de Marine le Pen (RN – Ajuntamento Nacional). Até a “França Insubmissa”, de Jean-Luc Mélenchon (esquerda não alinhada) entrou recentemente em crise.

RECUO INEVITÁVEL DO “PRESIDENTE ARROGANTE DOS RICOS”

Mas, depois de ser eleito, o Presidente fechou-se no Eliseu, aboliu o Imposto sobre as Grandes Fortunas, e disse que queria ser um “Presidente Júpiter” (em oposição ao “Presidente normal”, que tinha desejado ser Hollande).

Desprezou os chamados “corpos intermediários”, sobretudo os sindicatos – e é agora chamado nas ruas de França, pelos “coletes”, de o “Presidente arrogante dos ricos”.

As taxas sobre os carburantes, previstas para entrarem em vigor a 1 de janeiro e que já foram anuladas devido à pressão das manifestações, foram a gota de água que fez transbordar o vaso do descontentamento.

Agora os “coletes” querem mais, muito mais – aumentos de salários e de pensões, baixas de impostos e até novas eleições legislativas e presidenciais, bem como a introdução do sistema proporcional no escrutínio para o Parlamento.

Encostado à parede, Emmanuel Macron chamou esta manhã, à pressa, ao Eliseu, as centrais sindicais. Reuniu-se com os sindicalistas (e também com representantes do patronato e “eleitos dos territórios”) durante várias horas, mas tudo parecia muito improvisado.

O seu objetivo era claro: preparar a sua comunicação desta noite, apagar o incêndio que atinge todo o país desde há quase um mês e pediu ajuda aos sindicatos.

Parece evidente que Emmanuel Macron vai ter de recuar e sobretudo de anunciar medidas concretas e muito claras sobre o poder de compra dos seus compatriotas.

Terá de ser mesmo muito concreto e jogará tudo esta noite. Se falhar, não terá uma segunda hipótese porque os “coletes” permanecem mobilizados, têm o apoio de dois terços da população e continuam a gritar, nos bloqueios de estradas, que continuavam nesta segunda-feira, “Macron demissão”.

Mesmo uma remodelação governamental ou uma mudança de primeiro-ministro não chegarão para acalmar o fogo que atinge a França. Mesmo um pedido de desculpas pela forma distante como tem exercido o poder não chegará para acalmar a revolta.

Emmanuel Macron está encostado à parede – e Marine le Pen e o seu partido surgem como os melhor colocados para vencerem eleições antecipadas, se elas tiverem lugar.


Opinions des lecteurs

Laisser un commentaire


Rádio Alfa FM 98.6 Paris (On Air)

La radio de la lusophonie et des échanges interculturels de toute l'île de France

Piste actuelle
TITRE
ARTISTE

Background