Coronavírus/Portugal: Autoridades admitem um milhão de infetados no país

Publié le 29 février 2020

Graça Freitas, Diretora-geral da Saúde: “Prevemos 21 mil casos na semana mais crítica”

Responsável máxima pela saúde pública reconhece que o mundo não vai travar o vírus <span class="creditofoto">foto TIAGO MIRANDA</span>

Responsável máxima pela saúde pública reconhece que o mundo não vai travar o vírus – FOTO TIAGO MIRANDA

Uma entrevista publicada na edição semanal do Expresso deste sábado – extratos do trabalho do Expresso: 

Líder da estratégia para travar a epidemia de Covid-19 em Portugal, Graça Freitas, 62 anos, admite que, no pior cenário, um milhão de portugueses possam vir a ser infetados, 20% dos quais com gravidade. Não esconde que é uma questão de tempo até à deteção dos primeiros casos. O que mais teme é “o comportamento humano” nesta que diz ser “a primeira epidemia online”.

Com a expansão do vírus na Europa, é óbvio que vai chegar a Portugal.

É inevitável. A convicção de que vai chegar existe, se se vai propagar ainda não temos a certeza. Neste momento há várias situações no mundo: há países que importaram casos da China e contiveram, como a Alemanha, há o caso da Itália que tem um foco que ainda está em evolução, e o caso da Coreia, Japão, Irão e Singapura que têm focos, mas estão a travar a infeção, como aconteceu com a SARS. É certo que a probabilidade de conseguir conter o vírus não é grande. O mais provável é que haja uma disseminação da doença.

Qual é o pior cenário para Portugal?

Estamos a trabalhar com cenários para a taxa de ataque da doença, como fizemos para a pandemia de gripe, em 2009. Na altura, pensávamos que podia ter uma taxa total de ataque de 10%: um milhão de pessoas doentes ao longo de 12 semanas, mas não todas graves. Mas, afinal, foram 7%, cerca de 700 mil pessoas no total da época gripal de 2009/10. Uma epidemia depende da taxa de ataque, da duração e da gravidade. No caso do Covid-19, ainda não sabemos tudo para fazer cenários tão bem feitos. Assim, estamos a fazer cenários para uma taxa total de ataque de 10% [um milhão de portugueses] e assumindo que vai haver uma propagação epidémica mais intensa durante, pelo menos, 12 a 14 semanas. Temos estudos que nos dizem que 80% vão ter doença ligeira a moderada e só 20% terão doença mais grave e 5% evolução crítica. A taxa de mortalidade será à volta de 2,3% a 2,4%. No cenário mais plausível prevemos cerca de 21 mil casos na semana mais crítica, dos quais 19 mil ligeiros — não é muito, é como a gripe — e 1700 graves, que terão de ser internados, nem todos em cuidados intensivos. E nessa fase haverá camas em todos os hospitais.

 


Rádio Alfa FM 98.6 Paris (On Air)

La radio de la lusophonie et des échanges interculturels de toute l'île de France

Piste actuelle
TITRE
ARTISTE

Background