Covid-19 duplica incidência em Espanha e já provocou perto de 2.500 mortos em 2021

Covid-19: Vírus duplica incidência em Espanha e já provocou perto de 2.500 mortos em 2021

 

Alfa/Lusa/AFP

facebook sharing button
O número de infeções por covid-19 duplicaram em Espanha, nos primeiros 15 dias de 2021, com mais 300 mil novos contágios e 2.477 mortes, segundo números das autoridades sanitárias.

Segundo números do Ministério da Saúde espanhol, a terceira vaga da pandemia é já responsável por meio milhão de casos positivos em apenas um mês, desde 14 de dezembro, tendo passado de 193 casos por cada 100 mil habitantes para os 575, o triplo.

Os dados, citados pela agência EFE, no entanto, não refletem na totalidade, o impacto das reuniões sociais e da mobilidade provocada pelas festas natalícias, que segundo o Governo foram responsáveis pelo aumento sem precedentes do número de infetados, que aumentou na sexta-feira 40.000 casos em apenas um dia.

As autoridades sanitárias espanholas estimam que a subida do número de infetados se prolongue por mais três semanas, esperando que a população seja “consciente” e “suficientemente sensata” para aplicar as medidas de confinamento e controle adotadas pois, caso contrário, a subida irá prolongar-se por mais duas semanas.

A subida do número de infetados está também a pressionar os hospitais, o que preocupa as autoridades e faz adiar o número de cirurgias consideradas não urgentes, com mais oito mil pacientes infetados hospitalizados num total de 19.657, representando uma ocupação de 15,69%.

Nas unidades de cuidados intensivos, os infetados representam 30% da ocupação, sendo já quase três mil doentes (2.953).

Neste contexto, Espanha inicia na próxima semana a administração da segunda dose da vacina contra a covid-19, havendo neste momento registo de 768.950 pessoas vacinadas desde o início do programa de vacinação que arrancou em 05 de janeiro.

A saúde é um setor que está descentralizado em Espanha e o aumento da taxa de contágio levou praticamente todas as comunidades autónomas a anunciar nas últimas horas novas medidas de luta contra a pandemia de covid-19.

Várias regiões pediram mesmo ao Governo central que estude a possibilidade de voltar a impor o confinamento domiciliário.

A maior parte dos dirigentes nacionais e regionais têm apelado à população para ficar em casa e só sair se for mesmo necessário.

A região de Madrid, por exemplo, anunciou que, a partir da próxima segunda-feira, vai endurecer as medidas de luta contra a covid-19, antecipando para as 23:00 o recolher obrigatório e pedindo que só entrem em casa as pessoas do agregado familiar.

Na comunidade autónoma em que se encontra a capital espanhola, o recolher obrigatório será assim antecipado das 24:00 para as 23:00 horas e a hora de encerramento do setor da restauração e similares é antecipada para as 22:00.

As medidas, que afetam esta região espanhola, vão estar em vigor, pelo menos, durante 14 dias.

Além disso, a região de Madrid decidiu alargar o cordão sanitário a mais seis zonas básicas de saúde e cinco localidades, que juntamente com as já em vigor – 41 zonas e 14 localidades – perfazem um total de 47 zonas básicas e 19 municípios.

Nestas áreas vivem mais de 1.367.000 habitantes, 20% da população da capital, e são responsáveis por 25% dos casos de infeção por covid-19 na região.

A progressão da pandemia também levou o Governo e partidos regionais catalães a chegarem na sexta-feira a acordo para adiar para 30 de maio próximo as eleições nesta região espanhola.

A consulta eleitoral tinha sido inicialmente marcadas para 14 de fevereiro, devido à inabilitação, decretada pelo poder judicial em setembro passado, do último presidente regional, o independentista Quim Torra, condenado por se ter recusado a retirar uma faixa com conteúdo separatista da fachada da sede do governo regional durante a campanha para as eleições parlamentares nacionais de abril de 2019.

A pandemia de covid-19 provocou mais de dois milhões de mortos resultantes de mais de 93 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.