Direita tradicional e PS em risco de extinção em França

Publié le 8 juin 2019

Direita tradicional e PS em risco de extinção. A luta é entre Macron e Le Pen, em detrimento das forças políticas que governaram o país nas últimas décadas

Alfa/Expresso, edição semanal impressa. Por Daniel Ribeiro

Apaisagem política francesa continua em recomposição acelerada e as eleições europeias confirmaram a crise nos dois partidos que desde há décadas têm dirigido alternadamente o país: socialistas e direita republicana. Ambos se afundaram com percentagens dignas de grupos marginais, respetivamente, de 6,2 e 8,4%.

Ninguém se entende nas fileiras de Os Republicanos (LR), partido fundado por Nicolas Sarkozy e herdeiro do gaullismo. Eclodiram acesas guerras internas e figuras de peso demitiram-se, entre elas o líder, Laurent Wauquiez, que anunciou a saída da presidência do partido em direto na televisão.

LR. e PS não têm espaço político entre os movimentos do Presidente Emmanuel Macron (República em Marcha, centristas de direita e esquerda) e de Marine Le Pen (Reagrupamento Nacional, direita nacionalista e populista). Esta venceu as europeias com mais 0,9% do que Macron.

Os partidos históricos já não contam para os jogos do poder. Nas europeias foram ultrapassados pelo Europa Ecologia Verdes, de Yannick Jadot, que somou impressionantes 13%. A crise teve início nas presidenciais de 2017, em que PS e LR não chegaram à segunda volta, caso inédito na V República.

A PENSAR EM 2022

A batalha joga-se entre Le Pen e Macron, o que de certo modo convém ao chefe de Estado. Apesar de muito fragilizado pela crise social, sobretudo a provocada pela dura revolta dos ‘coletes amarelos’, Macron pode sonhar com a reeleição no caso provável de se verificar novo frente a frente entre ele e a chefe nacionalista nas presidenciais de 2022.

Macron considera que os conceitos de direita e esquerda estão ultrapassados e acelerou o fim do sistema tradicional, que sempre conduziu ao poder gaullistas ou socialistas. O PS foi marginalizado após o mandato presidencial falhado de François Hollande, que foi buscar Macron a um grande banco de negócios para a ribalta política. O LR afundou-se desde os escândalos que liquidaram a candidatura presidencial de François Fillon.

No campo político, Macron tem jogado bem. Integrou no Governo socialistas e centristas do LR e secou tudo à sua volta. O PS não cativa e não encontra aliados à esquerda nem à direita. No LR, o debate é entre moderados e os radicais, muitos dos quais defendem uma aproximação a Le Pen.

LR e PS estão ameaçados de desaparecer da cena política. Mesmo a França Insubmissa (esquerda populista) de Jean-Luc Mélenchon mergulhou numa crise interna: pouco mais de 6% nas europeias, depois de o líder ter obtido mais de 19% nas presidenciais.


Rádio Alfa FM 98.6 Paris (On Air)

La radio de la lusophonie et des échanges interculturels de toute l'île de France

Piste actuelle
TITRE
ARTISTE

Background