Suspeito de ataque em Nottingham, Grã Bretanha (Três mortos) poderá ser português

MNE em contacto com Reino Unido sobre suspeito de ataque em Nottingham. De acordo com o Daily Telegraph, os pais, originários da Guiné-Bissau, trabalharam na ilha da Madeira e obtiveram a nacionalidade portuguesa em 2006. Descobrimos recentemente, esta manhã, que aparentemente o suspeito tem nacionalidade portuguesa. Estamos a investigar o assunto, mas estaremos em estreito contacto com as autoridades britânicas a este respeito”, afirmou o ministro português aos jornalistas após um encontro com o homólogo britânico, James Cleverly

email sharing button
Alfa/com Lusa/adaptação Alfalinkedin sharing button
whatsapp sharing buttonO ministro dos Negócios Estrangeiros, João Gomes Cravinho, afirmou hoje estar em contacto com as autoridades britânicas sobre se o homem detido como suspeito por ter matado três pessoas em Nottingham esta semana tem nacionalidade portuguesa.

« Descobrimos recentemente, esta manhã, que aparentemente o suspeito tem nacionalidade portuguesa. Estamos a investigar o assunto, mas estaremos em estreito contacto com as autoridades britânicas a este respeito”, afirmou aos jornalistas após um encontro com o homólogo britânico, James Cleverly.

Cravinho acrescentou que “é um acontecimento horrível” e aproveitou a « ocasião para apresentar as nossas mais profundas condolências” às vítimas.

A imprensa britânica identificou hoje, citando várias fontes, que o homem de 31 anos detido como suspeito por ter matado três pessoas em Nottingham esta semana tem nacionalidade portuguesa.

Embora as autoridades ainda não tenham identificado o suspeito, a imprensa britânica adianta que o suspeito homicida será um antigo estudante da Universidade de Nottingham.

De acordo com o Daily Telegraph, os pais, originários da Guiné-Bissau, trabalharam na ilha da Madeira e obtiveram a nacionalidade portuguesa em 2006.

O casal ter-se-á mudado para o Reino Unido com os três filhos em 2007 e adquirido o estatuto de residente enquanto cidadãos da União Europeia.

A Lusa tentou obter a confirmação junto do Ministério dos Negócios Estrangeiros português e da polícia britânica, mas ainda não obteve resposta.

Os vizinhos na vila de Haverfordwest, no oeste do País de Gales, descrevem uma família educada e trabalhadora, frequentadora de uma igreja evangélica local.

A polícia de Nottingham anunciou na quinta-feira que obteve mais 36 horas para interrogar o suspeito de homicídio de três pessoas e do ferimento de outras três pessoas.

« Uma equipa de detetives dedicados continua a interrogar o suspeito e a construir uma imagem sólida do que aconteceu nessa manhã”, explicou a polícia.

A investigação está a analisar imagens de videovigilância, análises forenses, relatos de testemunhas oculares e a fez buscas em várias propriedades da cidade.

A polícia acredita que o suspeito atacou dois estudantes da Universidade de Nottingham de 19 anos com uma faca e que matou um outro homem de 65 anos antes de roubar a respetiva carrinha.

De seguida, tentou atropelar três pessoas em ocasiões diferentes, continuando um hospitalizado em estado grave.

A polícia deteve o suspeito utilizando um ‘taser’ quando o veículo estava parado.

td-main-content-wrap
Article précédentPR Marcelo e Rei Carlos III celebraram o 650.º aniversário da Aliança Luso-Britânica
Article suivantPedro Mafama: « Portugal é um pais por inventar, tem em si o que o resto da Europa não tem: a multiculturalidade »