Em férias no Algarve. Paulo Marques diz que sente mais segurança sanitária em Portugal do que em França

Paulo Marques, autarca (adjunto do Presidente da Câmara de Aulnay-sou-Bois), presidente da asssociação Cívica e filho de emigrantes em França, está de férias no Algarve há 10 dias.

Em declarações à Rádio Comercial disse que sente mais segurança sanitária em Portugal do que em França, onde foi decretado o uso obrigatório de máscara a partir do dia 1 de agosto.

No que respeita à viagem para as férias, além dos cuidados a ter ligados à crise, outra das preocupações  dos emigrantes prende-se com as decisões do governo francês porque Paulo Marques diz que muitos emigrantes têm receio de partir para férias sem saber se França vai ou não fechar as fronteiras terrestres com Espanha, devido ao crescente número de casos de covid-19 no país vizinho.

Mas o conhecido autarca da região parisiense diz que os voos entre Paris e Lisboa ou Porto estão mais baratos do que no ano passado e que, por isso, vários emigrantes optaram por viajar de avião.

Estas declarações de Paulo Marques à Rádio Comercial estão integradas num trabalho da estação de rádio sobre as férias dos emigrantes no qual foi também entrevistada Luciana Gouveia, da associação Cap Magellan.

A rádio diz que a incerteza sobre a evolução da pandemia de covid-19 deixa muitos dos emigrantes indecisos sobre ir ou não ir, e como viajar até Portugal.

No entanto,  Luciana Gouveia diz que seja de avião ou de carro, o certo é que a maioria não deverá abdicar de regressar a Portugal como é hábito há muito anos. « Essa é pelo menos a convicção de Luciana Gouveia, dirigente da associação Cap Magellan, uma associação fundada em Paris em 1991, e que é a primeira e maior associação de jovens luso-descendentes, lusofónos ou lusófilos », diz a Rádio Comercial.

Luciana acredita que no próximo fim de semana haverá muitos emigrantes portugueses a regressar de carro – conclui a emissora portuguesa

 

td-main-content-wrap
Article précédentCovid-19: Unicef alerta para risco de desnutrição de 6,7 milhões de crianças
Article suivantPortugal: Nasceram mais bebés no primeiro semestre. Um novo máximo desde 2017