Filipe Albuquerque fala em “sonho concretizado” após vencer as 24 Horas de Le Mans em LMP2

Publié le 20 septembre 2020

O piloto português Filipe Albuquerque (United Autosports) considera “um sonho concretizado” ter vencido hoje a prova das 24 Horas de Le Mans em automobilismo, na classe LMP2, “por Portugal”.

O triunfo valeu ao piloto de Coimbra, que faz equipa com os britânicos Phil Hanson e Paul di Resta no Oreca, a conquista matemática da Taça do Mundo de Resistência. Para que o título seja efetivo, basta a Albuquerque alinhar à partida da última prova, no Bahrain.

“Pontualmente, já o conseguimos, mas, regulamentarmente, precisamos de alinhar na última corrida no Bahrain. Por isso, para já, podemos festejar a vitória em Le Mans, o resto virá a seu tempo. A equipa fez um trabalho extraordinário, nós pilotos demos sempre o nosso melhor e não tenho dúvida que somos justos vencedores”, disse Albuquerque, que viveu o último turno de condução a partir das boxes.

O piloto luso considerou que foi uma “corrida incrível”.

“Foi uma corrida muito suada, mas trazemos o caneco para casa. Foi mesmo até à última volta”, comentou Albuquerque, após ver o companheiro Phil Hanson cortar a meta em primeiro, batendo a equipa do outro português em prova, António Félix da Costa (Jota).

As últimas voltas foram de cortar a respiração, com o Oreca da equipa de Albuquerque a ter de ir às boxes reabastecer a sete minutos do final.

No entanto, Phil Hanson, que quase se despistava à entrada e à saída das boxes, conseguiu sair à frente do britânico Anthony Davidson, um dos companheiros de Félix da Costa, juntamente com o mexicano Robert González.

Davidson acabaria por parar uma volta mais tarde, também para reabastecer, deixando Filipe Albuquerque com um suspiro de alívio.

“Não estava à espera que eles fossem parar. Foi de loucos. Uma corrida dura, todos dentro do limite. Conseguimos ganhar nós e a equipa está toda de parabéns. É um sonho concretizado. Ganhar Le Mans por Portugal foi ótimo”, concluiu o conimbricense.

Esta é a segunda vitória portuguesa na mais emblemática das provas de resistência na Europa depois de, em 2012, Pedro Lamy ter vencido a categoria GT AM.

Para Félix da Costa, foi um “excelente resultado”.

“Partimos de sétimo, andámos para a frente, andámos para trás, esprememos ao máximo as laranjas. Não ganhei eu, ganhou o Filipe Albuquerque, a taça está muito bem entregue”, felicitou o piloto de Cascais.

Hoje, a vitória na 88.ª edição prova gaulesa sorriu, pelo terceiro ano consecutivo, ao Toyota oficial do suíço Sébastien Buémi, do neozelandês Brendon Hartley (que substituiu o espanhol Fernando Alonso) e do japonês Kazuki Nakajima.

A equipa da marca nipónica deu 387 voltas ao traçado francês, mais cinco do que os segundos classificados, o norte-americano Gustavo Menezes, o brasileiro Bruno Senna e o francês Norman Nato, num Rebellion.

O outro Toyota, do argentino José Maria López, do britânico Mike Conway e do japonês Kamui Kobayashi, fechou os lugares do pódio após sofrer problemas mecânicos, já a seis voltas dos vencedores.

Com Agência Lusa.


Rádio Alfa FM 98.6 Paris (On Air)

La radio de la lusophonie et des échanges interculturels de toute l'île de France

Piste actuelle
TITRE
ARTISTE

Background
Powered by Live Score & Live Score App