Gonçalo M. Tavares finalista do prémio europeu de literatura Jean Monnet

Publié le 8 mars 2019

Vencedor do Prémio Jean Monnet será conhecido a 16 de novembro, em França. Entre os vencedores de anteriores edições contam-se autores como a portuguesa Lídia Jorge, o Nobel Patrick Modiano, J.G. Ballard, Claudio Magris, Hans Magnus Enzensberger ou Erri de Luca

D.R.

Alfa/Lusa

O escritor português Gonçalo M. Tavares é finalista do prémio Jean Monnet para o melhor livro europeu publicado em França, com a obra “Uma menina está perdida no seu século à procura do pai”, anunciou a editora. Gonçalo M. Tavares figura assim numa lista de “grandes nomes da literatura europeia, como o alemão Bernard Schlink, ou os ingleses Julian Barnes e Graham Swift”, indica a Porto Editora, que editou este livro em Portugal, em 2014.

Em França, o romance “Uma Menina Está Perdida no seu Século à Procura do Pai” foi editado em 2018 pela Viviane Hamy, numa tradução de Dominique Nédellec. O mesmo livro já havia sido finalista do Prémio Oceanos, no Brasil, e havia recebido o Prémio Tabula Rasa em Portugal, em 2015.

O vencedor do Prémio Jean Monnet será conhecido a 16 de novembro, em França. Entre os vencedores de anteriores edições contam-se autores como a portuguesa Lídia Jorge, o Nobel Patrick Modiano, J.G. Ballard, Claudio Magris, Hans Magnus Enzensberger ou Erri de Luca. O vencedor da primeira edição do prémio, em 1995, foi o italiano Antonio Tabbuchi com “Afirma Pereira”.

Esta não é a primeira vez que Gonçalo M. Tavares é apontado como um dos favoritos ao prémio, já que em 2015 também foi finalista com o romance duplo “Um homem: Klaus Klump” e “A Máquina de Joseph Walser”, editado pela Caminho. “Gonçalo M. Tavares é atualmente um dos escritores europeus mais traduzidos e premiados. Está a ser editado em mais de 50 países e já recebeu vários prémios internacionais, o último dos quais no final de 2018, na Roménia, pelo conjunto da sua obra”, destaca a Porto Editora.

Em França, recebeu em 2010 um dos “mais importantes prémios”, o Prémio para o Melhor Livro Estrangeiro, com “Aprender a rezar na Era da Técnica” — prémio que foi atribuído a autores como Elias Canetti, Robert Musil, Orhan Pamuk, John Updike, Philip Roth, Gabriel García Márquez, e que é visto, por muitos, como uma antecâmara do Nobel, acrescenta. O autor recebeu ainda, no mesmo país, o ‘Prix Littéraire Européen’ 2011, com “O Senhor Kraus”, e o ‘Grand Prix Littéraire Culture’ 2010.

Foi ainda finalista, por duas vezes, do ‘Prix Médicis Étranger’ (com “Uma Viagem à Índia” e “Aprender a Rezar na Era da Técnica”), outras duas, do ‘Prix Femina’ (com “Matteo perdeu o Emprego” e “Aprender a Rezar na Era da Técnica”) e do ‘Prix Cévennes’ (com “Jerusalém”).

Os restantes finalistas do Prémio Jean Monnet para o melhor livro europeu editado em França em 2019 são “Olga”, do alemão Bernard Schlink, “La Capitale”, do austríaco Robert Menasse, “Idiss”, do francês Robert Badinter, “Grace”, do irlandês Paul Lynch, e “Ásta”, do islandês Jón Kalman Stefánsson.

Terminam a lista dos finalistas a este prémio as italianas Helena Janeczek e Rosella Postorino, respetivamente com “La Fille au Leica” e “La Goûteuse d’Hitler”, bem como os ingleses Julian Barnes, com “La Seule historie” e Graham Swift, com “De l’Angleterre et des Anglais”.


Opinions des lecteurs

Laisser un commentaire


Rádio Alfa FM 98.6 Paris (On Air)

La radio de la lusophonie et des échanges interculturels de toute l'île de France

Piste actuelle
TITRE
ARTISTE

Background