Greve geral e manifestações imensas em França. “É a luta final”.

Publié le 5 décembre 2019

Greve geral em França. “É a luta final”. Um grupo de estudantes canta, em Paris, a “Internacional” na Praça da República. Outros, militantes de esquerda, garantem que chegou o momento da “conjugação das lutas”. A greve geral contra o projeto governamental de revisão do sistema de reformas paralisou a França e promete durar.

Foto LP

Alfa/Expresso. Por Daniel Ribeiro

As manifestações começaram na capital francesa ao início da tarde, mas há cerca de 250 em todo o país. Em Nantes, Bordéus e Lyon, já se verificaram, de manhã, incidentes com a polícia.

Os sindicatos anunciam centenas de milhares de pessoas mobilizadas no primeiro dia da greve geral contra a revisão do sistema de cálculo das pensões de reforma.

Em nome de uma desejada universalidade do sistema e do fim de 42 regimes especiais de reforma, o Governo pretende substituir o método atual de repartição solidária das reformas entre gerações pelo de “pontos”, calculados anualmente, com base nos descontos dos assalariados e dos défices das contas públicas e da segurança social.

A greve está a afetar seriamente o setor dos transportes terrestres (apenas 10 por cento dos comboios, metropolitanos e autocarros foram assegurados até ao início da tarde em todo o país) e também aeroportos, hospitais, escolas, creches, docas, repartições públicas e, até, museus e a Torre Eiffel, que foi obrigada a fechar devido ao movimento.

Alguns dos militantes da esquerda “não alinhada”, que estavam reunidos ao princípio da tarde de hoje na Praça da República, à espera de um imenso cortejo de manifestantes vindo de estações de caminho de ferro vizinhas, sonhavam com a “conjugação das lutas”, segundo disse um deles ao Expresso.

A “conjugação das lutas” é uma das grandes preocupações do Governo, que receia a convergência dos protestos, designadamente com a participação dos “coletes amarelos” e também dos desempregados, que têm também uma manifestação marcada para o próximo sábado em Paris.

Na Praça da República, alguns estudantes grevistas cantavam a “Internacional” e gritavam em coro: “É a luta final”. Empunhando bandeiras vermelhas e negras, estes jovens faziam lembrar célebres lutas do século passado, não só em França, mas também em Portugal.

O Governo, atualmente em duro braço de ferro com os sindicatos, espera para reagir ao visivelmente muito forte movimento de hoje. Mas  é certo que a greve vai continuar nos próximos dias.

Um porta-voz do ministério dos Transportes indicou esperar por problemas idênticos aos desta quinta-feira (designadamente a paralisação quase total no setor) pelo menos até segunda-feira.  A greve geral foi convocada pelas principais centrais sindicais por tempo indeterminado.


Rádio Alfa FM 98.6 Paris (On Air)

La radio de la lusophonie et des échanges interculturels de toute l'île de France

Piste actuelle
TITRE
ARTISTE

Background