LPF. Futebol português. A exceçãozinha do nosso covidezinho. Opinião

Publié le 5 mai 2020

Com o país todo de máscaras e sob medidas drásticas contra o Covid-19, por que é que, mesmo com o PM António Costa a torcer o nariz, os três ou quatro principais clubes portugueses fizeram uma força desmedida para que se jogassem os jogos de futebol que faltavam realizar nesta época na I Liga de Futebol?

E por que razão parece ceder o PM quando os portugueses entram a conta gotas nos mercados, supermercados e nos transportes e são proíbidas reuniões de mais de 10 pessoas?

Calculando pelo mínimo, mesmo com estádios sem público, em cada jogo só jogadores em campo são 22. Fora o resto, suplentes e os árbitros, delegados, treinadores e massagistas, roupeiros, arrumadores e empregados de limpeza – e etc. Inacreditável!

Citando, por alto, alguém que li algures: o discurso político é todo ele dirigido para a prioridade sanitária e para o isolamento social mas, depois, lá vêm as exceçõezinhas da praxe.

Os chamados grandes clubes não poderiam esperar que o estado de emergência ou, agora, de calamidade, fosse levantado, por uma questão de consciência e até de solidariedade coletiva para com os portugueses?

A Liga Portuguesa de Futebol não deveria por exemplo ter seguido o exemplo de outras Ligas europeias e acabar com esta brincadeira do futebol em tempo de grave pandemia?

Por Daniel Ribeiro

 


Rádio Alfa FM 98.6 Paris (On Air)

La radio de la lusophonie et des échanges interculturels de toute l'île de France

Piste actuelle
TITRE
ARTISTE

Background