Macron à procura de uma impossível unidade nacional

Publié le 3 décembre 2018

Emmanuel Macron visitou no domingo a zona dos confrontos <span class="creditofoto">Foto ETIENNE LAURENT/EPA</span>

Emmanuel Macron visitou no domingo a zona dos confrontos Foto ETIENNE LAURENT/EPA

Alfa/Expresso. Por Daniel Ribeiro

“Senhor Presidente, são precisas respostas.” É esta a angustiante manchete desta segunda-feira do “Le Parisien”, o maior jornal popular francês, que é lido em todos os ‘bistrots’ (bares, cafés, tabacarias e cabeleireiros) de França e do ultramar.

Os franceses estão atónitos com a inédita revolta dos “coletes amarelos” que, por vezes, resulta em violência extrema e em inacreditável vandalismo, como aconteceu no sábado passado, em Paris, onde até o Arco do Triunfo, onde está o túmulo do soldado desconhecido, foi profanado.

Mas também se interrogam sobre a capacidade do jovem chefe de Estado de 40 anos, que não tem passado com peso na política, para dirigir um país como a França, que sempre conviveu ciclicamente com convulsões sociais e revoluções das mais radicais.

Dois dias depois do caos e da guerrilha urbana de sábado em Paris, incidentes continuavam a verificar-se um pouco por toda França — bloqueios de estradas e de refinarias e também ocupações de liceus e manifestações mais ou menos radicais em diversas cidades.

Aparentemente, no Eliseu tudo decorria normalmente. O Presidente Emmanuel Macron continuava sem falar ao país e sem oficialmente responder à crise, que está a assumir dimensões alarmantes e é sem dúvida a maior da sua curta presidência de apenas ano e meio. Visivelmente, Macron tentava ganhar tempo para decidir o que dizer, concretamente, aos franceses.

Macron procura uma porta de saída para o conflito e encarregou o seu primeiro-ministro, Édouard Philippe, de receber um a um todos os dirigentes políticos franceses, da extrema-direita à extrema-esquerda, passando por ecologistas e, até, Benoît Hamon, antigo candidato socialista à presidência. Esta segunda-feira tem sido uma roda-viva de políticos a entrarem e saírem da residência oficial do PM.

O objetivo de Macron e de Philippe era tentarem conseguir uma unidade nacional face aos ‘casseurs’ (vândalos), que durante dois sábados consecutivos puseram diversas zonas nobres de Paris em chamas. Pretendiam colocar o acento na segurança, no combate ao radicalismo (centenas de pessoas já foram presas desde o início, há 20 dias, na internet, deste movimento “espontâneo e cívico”), mas, no meio político e partidário francês, ninguém se entende.

Todos os políticos franceses (e não apenas os do Governo e da Presidência) parecem neste momento atordoados perante um movimento, sem líderes nem ideologia nem programa, que ninguém controla e que começou por surgir contra o aumento do preço dos combustíveis e que agora pede a demissão de Macron e eleições legislativas antecipadas.

A unidade nacional é, seguramente, impossível. Antes das reuniões com Édouard Philippe, Laurent Wauquiez, líder da direita clássica (do partido Os Republicanos), pedia um referendo sobre a transição energética e a reforma fiscal de Macron; Marine le Pen, chefe dos nacionalistas e populistas (RN, Ajuntamento Nacional), queria eleições antecipadas e pedia a introdução do sistema proporcional na lei eleitoral francesa; Jean-Luc Mélenchon (da França Insubmissa, esquerda ‘não alinhada’) também exigia a dissolução da Assembleia.

Depois de diversas reuniões, a meio da tarde desta segunda-feira não se verificava qualquer consenso entre o Governo e os restantes partidos a não ser num conselho que todos deram ao primeiro-ministro: avançar com uma moratória sobre os preços dos combustíveis e abrir discussões sobre aumentos das pensões de reforma e dos salários mais baixos.

No entanto, no imediato, Emmanuel Macron tem outros problemas pela frente. Nomeadamente um muito grave: garantir a segurança dos franceses e a ordem na praça pública até porque, nas redes sociais, já havia hoje apelos a mais manifestações para o próximo sábado em Paris — o “Ato IV”, ou seja, o quarto protesto em Paris desde a primeira manifestação dos “coletes”, a 17 de novembro.

Depois de uma cimeira de crise neste domingo, em Paris, Emmanuel Macron parece ter afastado a hipótese, que foi levantada pelo Ministério do Interior, da declaração do estado de emergência — que implicaria a proibição de manifestações.

Mas a França está inquieta e insegura e os franceses querem saber o que ele propõe para sair deste conflito. Até ao momento, a sua resposta tem sido minimalista. No domingo, no decorrer de uma visita improvisada à avenida Kléber, na zona do Arco do Triunfo e que foi uma das mais atingidas pela fúria dos ‘casseurs’ no sábado, foi apupado e não falou a não ser individualmente a agentes policiais e a bombeiros.

Édouard Philippe vai continuar as consultas amanhã, terça-feira, na sua residência e alguns dos “coletes amarelos” vão ser recebidos por ele. Mas não há representantes do movimento devidamente credenciados para o efeito e alguns dos “nomeados” até terão sido ameaçados pelas bases por estarem a “colaborar” com o Governo. A crise parece evidente e até divide agora também os próprios “coletes”.

Neste momento, só uma reivindicação deste movimento atípico consegue reunir todos os políticos, salvo Macron e o Governo — uma moratória sobre o aumento dos combustíveis, previsto para 1 de janeiro. E também há unanimidade, pelo menos formal, para condenar a violência.

No resto, ninguém se entende: nem sobre o fim do sistema eleitoral maioritário a duas voltas, com a introdução do método proporcional para dar alguma expressão parlamentar aos partidos antissistema, nem sobre o recurso mais frequente a referendos sobre temas sociais, nem sobre o aumento dos salários e das pensões mais baixas ou a descida dos preços do gás e da eletricidade.


Opinions des lecteurs

Laisser un commentaire


Rádio Alfa FM 98.6 Paris (On Air)

La radio de la lusophonie et des échanges interculturels de toute l'île de France

Piste actuelle
TITRE
ARTISTE

Background