Macron prepara saída da crise e pondera Governo de “concórdia”

Publié le 15 avril 2020

Macron prepara saída da crise e pondera Governo de “concórdia”. Presidente francês está preocupado com a economia, mas sindicatos e especialistas alertam para risco do regresso faseado às aulas e ao trabalho – Alfa/adaptação de um artigo do Expresso

O Governo francês, liderado por Édouard Philippe, apresenta esta quarta-feira, 15 de abril, um projeto de orçamento retificativo que prevê uma queda de 8% do PIB, um défice de 9% e uma dívida a 115% do PIB. Tal é o efeito da crise do coronavírus, a ameaçar o país no plano da saúde, mas também no económico.

Tendo em conta esse duplo desafio, e apesar de a crise continuar grave (à hora de publicação deste texto há 15.729 mortos, 143 mil infetados e quase 7000 em estado grave, além de quase 29 mil recuperados), o Presidente Emmanuel Macron decidiu levantar progressivamente o confinamento no país a partir de 11 de maio.

O anúncio do chefe de Estado, que visa relançar a economia francesa, prevê designadamente um regresso gradual dos jovens franceses às aulas. Provocou controvérsia, dividindo o corpo médico, professores, pais e políticos.

A aposta arriscada do chefe de Estado foi recebida com surpresa, inclusive no Executivo, que foi encarregado de pô-la em prática sob forte pressão. A ideia de Macron é que a economia continuará a afundar-se caso o país não regresse ao trabalho, ficando os pais em casa a tomar conta dos filhos.

“Se as escolas não voltarem a funcionar, não podemos voltar a pôr o país a trabalhar”, disse um conselheiro de Macron citado pela imprensa francesa. “A escola está a ser instrumentalizada, era preciso acalmar os mercados e foi uma decisão tomada, sobretudo, em nome da necessidade económica”, sublinhou um alto funcionário do Ministério da Educação, sob anonimato. Édouard Philippe tem apenas quinze dias para elaborar um plano concreto e lançar de forma faseada a reabertura dos estabelecimentos de ensino.

ESPECIALISTAS ALERTAM PARA RISCOS

Especialistas duvidam da decisão do Presidente e diversos médicos sublinham que nem sequer há ainda estudos fidedignos sobre os números de crianças e jovens infetados pelo novo coronavírus.

“A reabertura das escolas coloca evidentemente em primeiro plano a questão do risco. É preciso trabalhar a sério e a fundo nisso”, comentou Anne-Claude Crémieux, professora e especialista em doenças infecciosas no hospital Saint-Louis, de Paris.

Em termos oficiais, calcula-se que entre 5 a 10% da população francesa tenha “contactado” com o novo coronavírus, indicou o diretor-geral da saúde, Jérôme Salomon. Explica que que em termos de casos graves internados em cuidados intensivos, os números baixam consecutivamente desde há seis dias. Assume otimismo moderado no tocante a uma vacina, que poderá estar no mercado, acredita, em 2021.

Além de muitos médicos e especialistas, também a generalidade dos sindicatos da educação criticou a decisão do Presidente de reabrir as escolas, considerando-a “precipitada”. Algumas fontes indicam ao Expresso que Macron estará a pensar formar um novo Governo de “concórdia” para sair da crise, com o apoio de personalidades civis e de políticos vindos de diversos quadrantes.


Rádio Alfa FM 98.6 Paris (On Air)

La radio de la lusophonie et des échanges interculturels de toute l'île de France

Piste actuelle
TITRE
ARTISTE

Background