“Não há sensatez nem bom senso no fim da quarenta para emigrantes” – autarca de Chaves

Publié le 28 mars 2020

“Não há sensatez nem bom senso no fim da quarenta para emigrantes”, avisa autarca de Chaves. Nuno Vaz afirma que a decisão da DGS de suspender o isolamento profiláctico de 14 dias para quem vem do estrangeiro, contrariando a quarentena imposta pelas autoridades regionais de saúde do Nordeste Transmontano e Algarve, é perigosa e potencialmente explosiva em termos de novas cadeias de contágio.

 

Alfa/Expresso. Por Isabel Paulo

O presidente da Câmara de Chaves está indignado com a decisão da diretora-geral de Saúde, Graça Freitas, de suspender a ordem de quarentena de 14 dias, decidida na passada semana pelas autoridades regionais de saúde do Nordeste Transmontano e do Algarve, para travar a vaga de emigrantes que está a chegar a Portugal e a refugiar-se em aldeias rurais e zonas de veraneio de praia.

A deliberação da DGS, na sequência da recomendação da provedora de Justiça, Maria Lúcia Amaral, é criticada duramente por Nuno Vaz, que, embora não discuta “se a quarentena obrigatória para emigrantes” é constitucional ou não, adverte que, entre o “direito à saúde e à vida e o de circulação”, ninguém duvida que “deve prevalecer o primeiro”. Para o autarca, são dois deveres fundamentáveis em tempos normais, mas lembra que o país e o mundo atravessam uma situação de excecionalidade.

“É uma decisão incompreensível, perigosa e potencialmente explosiva em relação ao risco de novas cadeias de contágio de Covid-19, numa altura em que não há vacina nem tratamentos seguros”, avisa Nuno Vaz, que acrescenta estar-se perante uma deliberação que carece “de bom senso e sensatez”. Para o autarca, a única justificação para a DGS ter contrariado o confinamento obrigatório de 14 dias das autoridades locais “é o completo desconhecimento” da realidade so Alto Tâmega.

O concelho de Chaves tem 40 mil habitantes, uma população envelhecida – “um jovem por três idosos” – e dispersa “por 135 lugares, aldeias localizadas numa área de 600 quilómetros quadrados”, lembra Nuno Vaz, sublinhando que, se até agora foi difícil “o isolamento social a quem chega de fora, será impossível agora que os emigrantes obedecem voluntariamente à recomendação para ficarem em casa, em vez de andarem a visitar todos os familiares”.

Numa região de muitos emigrantes, Nuno Vaz afirma que é tradição na Páscoa a visita de férias à família de quem trabalha além-fronteiras, temendo que nas próximas semanas se assista à importação de novos casos de contágio. “Confesso ter receio que o surto se descontrole”, diz, alertando que Chaves tem 18 lares de idosos.

“Embora as visitas estejam suspensas, temos funcionários que também têm familiares a chegar à terra. Como se controla isto agora?”, questiona sublinhando a incapacidade dos municípios para deslocar os idosos, em caso de infeção, das instituições de terceira idade. “Estamos a facilitar. O Governo e a DGS já deviam ter percebido que a única solução para travar a expansão do surto é o confinamento e não aligeirar medidas de risco”, conclui Nuno Vaz.


Rádio Alfa FM 98.6 Paris (On Air)

La radio de la lusophonie et des échanges interculturels de toute l'île de France

Piste actuelle
TITRE
ARTISTE

Background