“Parasitas” e vozes femininas marcaram os Óscares numa Hollywood em transição

Publié le 10 février 2020

A 92.ª edição dos Óscares entrou para a história como a primeira que atribuiu a estatueta de Melhor Filme a uma produção em língua não inglesa, num momento de transição em que abundaram os pedidos de maior diversidade.

“Parasitas”, do sul-coreano Bong Joon-ho, foi a vitória que mais surpreendeu a audiência de uma indústria que se reuniu em peso no Dolby Theatre, de Los Angeles, motivando uma ovação de pé na sala de entrevistas por onde passaram os vencedores.

O título saiu da cerimónia com quatro Óscares, sagrando-se nas categorias de Melhor Filme, Melhor Realização (Bong Joon-ho), Melhor Filme Internacional e Melhor Argumento Original.

Na categoria de Melhor Argumento Adaptado, a Academia premiou Taika Waititi, por “Jojo Rabbit”, um filme que o argumentista considerou ser uma “resposta ao ressurgimento da intolerância e discurso de ódio”.

“No final da guerra havia uma regra clara, quem era nazi ia para a prisão. Agora, as regras mudaram e quem é nazi faz manifestações e chama os companheiros”, disse Waititi no encontro com a imprensa, nos bastidores da cerimónia. “Esta é a altura perfeita para um filme como este. Sinto que se tornou mais importante e relevante hoje”.

Ao longo da noite, várias vozes femininas pediram maior diversidade e abertura na indústria, depois de a Academia ter sido criticada por ignorar mulheres realizadoras e atores não brancos.

Hildur Guðnadóttir, que ganhou o Óscar para Melhor Banda Sonora Original em “Joker”, disse que está na altura de abrir a indústria a mais mulheres. Julia Reichert, que venceu o Óscar de Melhor Documentário por “Um Fábrica Americana”, com Steven Bognar e o produtor Jeff Reicher, além de apelar ao sindicalismo, à união dos trabalhadores, também afirmou que as mulheres devem ajudar-se mutuamente e já não precisam de se encaixar no patriarcado. Laura Dern considerou que há agora papéis mais entusiasmantes para as atrizes, e que há alguns anos não teria tido a oportunidade de interpretar mulheres tão poderosas.

Joaquin Phoenix, que levou o Óscar de Melhor Ator Principal por “Joker”, não passou pelos bastidores para dar entrevistas, mas usou o seu discurso para abordar várias causas.

Phoenix considerou que “o maior presente” que lhe foi dado, assim como aos seus colegas, foi “a oportunidade de usar a voz pelos que não têm voz”.

“Se falamos de desigualdade de género, racismo, direitos ‘queer’, direitos indígenas ou de direitos dos animais, estamos a falar de luta contra a injustiça”, contra “a crença de que uma nação, um povo, uma raça, um género ou uma espécie tem o direito de dominar, controlar e usar e explorar outra sem impunidade”, afirmou, sem deixar de acusar a exploração de vacas para produção de leite e a “cultura do cancelamento”.

“Estamos no nosso melhor quando nos apoiamos, não nos anulamos, nos ajudamos a crescer, quando nos educamos e nos redimimos”, prosseguiu, aludindo, por fim, a seu irmão River Phoenix, o ator que morreu em 1993, aos 23 anos, para deixar uma mensagem de redenção, porque a ela “se seguirá a paz”.

O ator ganhou sem surpresas, tal como os outros vencedores nas categorias de representação: Renée Zellweger venceu o Óscar de Melhor Atriz Principal por “Judy”, e Laura Dern levou a estatueta de Melhor Atriz Secundária por “História de um Casamento”, enquanto Brad Pitt abriu a cerimónia vencendo na categoria de Melhor Ator Secundário, por “Era Uma Vez… em Hollywood”.

É também de Brad Pitt a primeira afirmação política da noite, quando disse, ao receber o Óscar de Melhor Ator Secundário, que os 45 segundos que a Academia lhe dava para agradecer, eram “45 segundos mais do que o Senado tinha dado ao embaixador John Bolton”, como testemunha no processo de ‘impeachment’ de Donald Trump.

A seguir, nos bastidores, confessou-se “realmente dececionado” com o resultado da semana passada, porque “quando o espírito de ‘jogada’ supera o que é certo, é um dia triste em que não se deve deixar de pensar”.

Zellweger, por seu lado, a propósito do legado de Judy Garland, recordou os heróis que unem: “Os melhores entre nós que nos inspiram a encontrar o melhor em nós mesmos”, como Neil Armstrong, Bob Dylan, Martin Scorsese ou a abolicionista Harriet Tubman, “os nossos professores os nossos homens e mulheres corajosos de uniforme, os nossos socorristas e bombeiros. E quando celebramos os nossos heróis, lembramo-nos de quem somos, como um povo, isso une”, concluiu a atriz.

Dos nove títulos que concorreram ao Óscar de Melhor Filme, todos receberam pelo menos uma das estatuetas para que estavam nomeados à exceção de “O Irlandês”. O peso-pesado de Martin Scorsese e da Netflix tinha 10 nomeações mas não ganhou em qualquer categoria.

Ainda assim, o serviço de ‘streaming’ conquistou duas estatuetas, uma por “Marriage Story” e outra por “Uma Fábrica Americana”, que ganhou o Óscar de Melhor Documentário em longa-metragem.

Da lista de surpresas na noite consta, além de “Parasitas” e Bong Joon-ho como Melhor Realizador, a vitória de “Toy Story 4” como Melhor Filme de Animação (longa-metragem), contra os favoritos “Klaus” e “Missing Link”.

Nas categorias técnicas, reinou o drama histórico de Sam Mendes “1917”, com vitória em Melhor Fotografia, Melhor Mistura de Som e Melhores Efeitos Visuais. “Le Mans ’66: O Duelo” levou a dianteira em Melhor Edição de Som, e “Era Uma Vez… em Hollywood” teve a Melhor Cenografia. A Melhor Canção Original foi “(I’m Gonna) Love Me Again”, de Elton John e Bernie Taupin, para “Rocketman”.

“Mulherzinhas” ficou com o Óscar de Melhor Guarda-Roupa, com a vencedora Jacqueline Durran a revelar nos bastidores que nunca viu as versões anteriores da adaptação do livro de Louisa May Alcott, do século XIX, o que inclui, entre muitas outras, a versão de George Cukor, protagonizada pela jovem Katharine Hepburn, em 1933.

“Bombshell – Um Escândalo” ficou com o Óscar de Melhor Caracterização.

Esta edição dos Óscares, a segunda consecutiva que não teve apresentador, teve porém vários momentos de entretenimento que se destacaram, como Eminem a fazer uma interpretação inesperada de “Lose Yourself”, que gerou reações na audiência e nas redes sociais.

A 92.ª edição dos prémios da Academia das Artes e Ciências Cinematográficas, de Hollywood, realizou-se durante a noite de domingo, no Dolby Theatre, em Los Angeles, madrugada de segunda-feira em Portugal.

Confira a lista dos vencedores nas principais categorias

Melhor Filme

Melhor Realizador

Melhor Actor

Melhor Actriz

  • Renée Zellweger – Judy
  • Charlize Theron – Bombshell: O Escândalo
  • Scarlett Johansson – Marriage Story
  • Cynthia Erivo – Harriet
  • Saoirse Ronan – Mulherzinhas

Melhor Actor Secundário

  • Brad Pitt – Era Uma Vez… em Hollywood
  • Tom Hanks – A Beautiful Day in the Neighborhood
  • Al Pacino – O Irlandês
  • Joe Pesci – O Irlandês
  • Anthony Hopkins – Os Dois Papas

Melhor Actriz Secundária

  • Laura Dern – Marriage Story 
  • Scarlett Johansson – Jojo Rabbit 
  • Florence Pugh – Mulherzinhas
  • Margot Robbie – Bombshell: O Escândalo
  • Kathy Bates – O Caso de Richard Jewell

Melhor Argumento Adaptado

  • Taika Waititi – Jojo Rabbit
  • Steve Zaillian – O Irlandês
  • Anthony McCarten – Os Dois Papas
  • Greta Gerwig – Mulherzinhas
  • Todd Phillips e Scott Silver – Joker

Melhor Argumento Original

  • Bong Joon Ho e Han Jin Won – Parasitas
  • Quentin Tarantino – Era Uma Vez… em Hollywood
  • Noah Baumbach – Marriage Story
  • Sam Mendes e Krysty Wilson-Cairns – 1917
  • Rian Johnson – Knives Out

Melhor Filme de Animação

Melhor Documentário

Melhor Filme Internacional

Melhor Banda Sonora Original

Melhor Canção

  • (I’m Gonna) Love Me Again (Elton John, Rocketman)
  • Into the Unknown (Kristen Anderson-Lopez, Robert Lopez, Frozen 2)
  • Stand Up (Cynthia Erivo, Joshua Campbell, Harriet)
  • I Can’t Let You Throw Yourself Away (Randy Newman, Toy Story 4)
  • I’m Standing With You (Diane Warren, Breakthrough)


Rádio Alfa FM 98.6 Paris (On Air)

La radio de la lusophonie et des échanges interculturels de toute l'île de France

Piste actuelle
TITRE
ARTISTE

Background