Patrícia Sampaio quer chegar ao topo do judo e ser cabeça de série em Tóquio2020

Publié le 26 décembre 2019

Patrícia Sampaio quer chegar ao topo do judo e ser cabeça de série em Tóquio2020

Patrícia Sampaio quer chegar ao topo do judo e ser cabeça de série em Tóquio2020

Alfa/Lusa
Os resultados e o crescimento que teve em 2019 mostram uma judoca confiante, com Patrícia Sampaio sem medo de dizer que quer estar entre as melhores, a pensar nos Jogos Olímpicos Tóquio2020.

“Os meus objetivos neste momento são chegar ao ‘top-8’ [da qualificação], ainda melhor chegar ao ‘top-4’, mas já estar no ‘top-8’ do ‘ranking’ olímpico era muito bom para conseguir ser cabeça de série nos Jogos”, disse a judoca, atual 12.ª, em entrevista à agência Lusa.

O ano de 2019 voltou a colocar a atleta de Tomar como a melhor júnior mundial da sua categoria, nos -78 kg, na qual conquistou em setembro o segundo título europeu na Finlândia, e em outubro o terceiro bronze em Mundiais do escalão, em Marrocos.

“Claro que os objetivos passam por pontuar em todas as provas a que vou. Fazer os melhores resultados possíveis, para depois também estar confortável no apuramento e poder focar-me em treinar para fazer uma boa prestação nos Jogos Olímpicos”, acrescentou.

Antes da competição em Tóquio, com as categorias de judo a decorrerem entre 25 de julho e 01 de agosto, a judoca olha também para os Europeus, a última grande prova antes dos Jogos e que fecham o apuramento.

“Se penso numa medalha? Penso sim. Especialmente, depois de ter estado a um bocadinho da medalha no Mundial, penso completamente em conseguir uma medalha”, disse à Lusa a judoca, lembrando o quinto lugar no Mundial de seniores.

No campeonato, que decorreu também na capital japonesa, a judoca da Sociedade Filarmónica Gualdim Pais, em Tomar, ficou à porta do pódio, depois de perder no combate para o bronze com a brasileira Mayra Aguiar, uma das adversárias que mais admira no circuito.

“Conseguimos criar uma boa relação, gosto muito de treinar com ela, de a ver no tapete, de ver a postura, de a ver trabalhar. Claro, depois de tudo o que já atingiu é uma inspiração para mim, é uma das pessoas mais fortes na minha categoria”, explicou.

Além de Mayra, que foi bronze em dois Jogos Olímpicos, Patrícia Sampaio tem como referência a norte-americana Kayla Harrison, bicampeã olímpica, em Londres2012 e Rio de Janeiro2016, e que, entretanto, se retirou.

Nos -78 kg, considera que ainda são muitas as adversárias a ter em conta, numa categoria com nomes fortes: “ainda tenho várias. Brasileira, francesa, as holandesas também são muito fortes no meu peso, e as alemãs”.

Este ano, Patrícia Sampaio foi destaque no portal na Internet ‘Judo Inside’, como uma das judocas mais promissoras em 2019, algo que desconhecia, mas que não a deixou indiferente, num ano que reconhece ter sido de mudança.

“Houve esse ‘boost’, ganhei muito mais experiência, comecei a fazer mais estágios internacionais, a conhecer melhor as atletas, e eu própria tornei-me mais forte, claro. Acho que foi por isso que houve esse ‘boost’ do ano passado para este ano. Entrar no escalão e conseguir começar a afirmar-me”, justificou.

Ultrapassada a transição em 2016 dos -70 para os -78 kg, e, depois, em 2018, a integração entre juniores e seniores, fez parte do crescimento da judoca, com maior e mais regular participação no escalão maior.

“Era júnior e comecei a competir nos seniores, sabia que tinha de ser forte mentalmente, não ia ter os resultados que pretendia logo no momento e ia ter que aguentar e crescer com isso”, disse.

Com a adaptação praticamente concluída, a judoca revela quais as técnicas preferidas: “os meus ataques mais efetivos são projeções de joelhos, virar as costas”, revelou, adiantando que as técnicas de ‘seoi nage’ e ‘sode’, para a esquerda, são as favoritas, numa modalidade de que não gostou à primeira, mas à qual acabou por se ‘render’.


Rádio Alfa FM 98.6 Paris (On Air)

La radio de la lusophonie et des échanges interculturels de toute l'île de France

Piste actuelle
TITRE
ARTISTE

Background