Presidenciais. Em pandemia e com forte abstenção é possível uma segunda volta. Mesmo Marcelo o diz

Presidenciais portuguesas – primeira volta no próximo domingo, 24 (23 e 24 nos consulados em França)

Uma segunda volta é possível devido à conjugação da grave situação de pandemia que Portugal conhece e de uma provável muito elevada abstenção – o próprio Marcelo Rebelo de Sousa, favorito das sondagens, o reconheceu na parte final da entrevista que deu à Rádio Alfa. 

O candidato e atual Presidente diz que os eleitores poderão querer responsabilizar alguém – ele – pela situação dolorosa que atravessam e afirma que basta uma abstenção de 70 por cento para levar as presidenciais para a segunda volta.

Crónica de Daniel Ribeiro, a partir de Lisboa, para ouvir, na Rádio Alfa, nesta sexta-feira, 22, alguns minutos antes das 7, 9, 11, 15, 17 e 19 horas.