Presidenciais/Sondagem. Marcelo perde oito pontos. Abstenção é maior ao centro e direita

PRESIDENCIAIS em Portugal. Última sondagem, do Expresso/SIC.

Destaque realçado na edição de hoje, sexta-feira, do semanário Expresso, já nas bancas:

“Atual PR desce significativamente. Ana Gomes e Ventura disputam o segundo lugar. Marisa e João Ferreira empatados. Mas a abstenção pode prejudicar mais Marcelo, cujos eleitores são dos menos mobilizados. E fazer subir Ventura, Mayan ou João Ferreira. Nestas presidenciais, como nunca, está tudo em aberto. Atenção: domingo há previsão de chuva”.

Acrescenta o jornal que “de dezembro até agora, Marcelo Rebelo de Sousa perde oito pontos na última sondagem realizada pelo ISCTE/ICS para o Expresso e a SIC: passa de 66% para 58%. A vantagem é muito grande para a dupla que disputa o segundo lugar — mas essa confirma-se ser uma disputa taco a taco —: Ana Gomes sobe, mas marginalmente, dos 13% para os 14,5%, enquanto André Ventura atinge os 12,5% das intenções de voto, mais 3,5 pontos percentuais do que tinha há um mês. A diferença entre os dois é agora de dois pontos, dentro da margem de erro da sondagem (que é de 3%).”

“Mais abaixo, indica o Expresso, ficou totalmente empatada a luta entre os representantes dos partidos à esquerda: Marisa Matias perde um ponto, João Ferreira sobe um — e os dois têm agora 6% das intenções de voto. O trabalho de campo desta sondagem, anote-se, começou dois dias depois de terem acabado os debates televisivos entre os vários candidatos — onde Marisa Matias teve maior dificuldade em sobressair — e prolongou-se até à última segunda-feira, quando António Costa anunciou novas restrições ao segundo confinamento”.

E o jornal comenta:

“É aqui que entra a maior incógnita destas presidenciais: a abstenção, que deixa, mais do que nunca, tudo em aberto para o próximo domingo. “Até uma segunda volta?”, perguntou o Expresso a Pedro Magalhães, coordenador da sondagem ISCTE/ICS. “Se os níveis de abstenção forem aqueles que alguns observadores têm indicado como possíveis à luz de eleições anteriores, bem acima dos 70%, e se forem ainda mais amplificados pela pandemia, esse cenário não pode ser colocado de parte.”

“Os dados desta sondagem dão razão para pensar que, com um eventual aumento da abstenção, Marcelo pode ser um dos mais penalizados”, acrescenta o jornal.

Quanto aos resultados, esta sondagem prevê ainda 2% dos votos para Tiago Mayan e 1% para Vitorino Silva.

Sobre a hipótese de uma segunda volta ouça também, na Rádio Alfa, a crónica de hoje de Daniel Ribeiro, a partir de Lisboa.