Salvini, o vírus no centro da Europa. Itália pode ser governada pela extrema-direita. Editorial do Público

Publié le 13 août 2019

Salvini, o vírus no centro da Europa – Editorial do Público, por Ana Sá Lopes

A chegada ao poder das extremas-direitas – e temos França e Alemanha sob ameaça forte – é o atestado da incapacidade da União de fazer com que os Estados-membros subscrevam os valores matriciais que, por estes dias, parecem estar só no papel.

Matteo Salvini

Foto
REUTERS/REMO CASILLI

Matteo Salvini está à beira de se tornar primeiro-ministro da Itália e conseguir “os plenos poderes” que pediu. É evidente que o até agora ministro do Interior, presidente da Liga, já tinha um enorme poder – mas o cargo de primeiro-ministro ainda era do movimento Cinco Estrelas, Comte, que não é de extrema-direita.

A ruptura de Salvini, cujo partido cavalga nas sondagens, vem tornar ainda mais perigoso o quadro político europeu, já de si bastante assustador e com reminiscências de um século XX quase esquecido que a história presente nos obriga forçosamente a revisitar. Como disse Fernando Rosas numa entrevista recente que deu ao PÚBLICO, o futuro “será outra coisa, mas não será fascismo”. Independentemente do peso do nome “fascismo”, essa outra coisa que se vai impondo em vários países europeus (Salvini é, na Europa Ocidental, o primeiro que chegará, tudo o indica, a primeiro-ministro) desperta os piores demónios. Basta ver que Salvini se refere aos refugiados como os seus antepassados alemães, italianos e em outros países se referiam aos judeus. De certa forma, o grito “voltem para a vossa terra” – que recentemente Trump, outro fenómeno da mesma estirpe, atirou às quatro congressistas americanas não brancas, entre elas Alexandria Ocasio-Cortez – é excessivamente semelhante àquilo que ouviam os judeus um pouco por toda a Europa, e na América, durante boa parte do século XX.

O crescimento da extrema-direita é uma prova do imenso falhanço da União Europeia. Itália, uma das democracias fundadoras da então Comunidade Económica Europeia – com a Alemanha Ocidental, a França, Bélgica, Holanda e Luxemburgo – é o primeiro país a cair totalmente nas mãos do ódio, contra o qual, para lá das razões de ordem económica, a comunidade europeia foi formada. Quem sonhou um dia com os Estados Unidos da Europa (e foram muitos europeus, incluindo Churchill, o primeiro a cunhar a expressão) deve estar por estes dias convencido da sua total impotência. A chegada ao poder das extremas-direitas – e temos França e Alemanha sob ameaça forte – é o atestado da incapacidade da União de fazer com que os Estados-membros subscrevam os valores matriciais que, por estes dias, parecem estar só no papel.

Perante esta emergência, os dirigentes europeus não sabem exactamente o que fazer. E como num título de livro que relata as vésperas da I Guerra Mundial, parecem sonâmbulos a lidar com uma situação explosiva.


Rádio Alfa FM 98.6 Paris (On Air)

La radio de la lusophonie et des échanges interculturels de toute l'île de France

Piste actuelle
TITRE
ARTISTE

Background