“Coletes amarelos, não desistam!” – Governo italiano apoia revolta francesa

Publié le 8 janvier 2019

Coletes amarelos. Governo populista de Itália manifesta apoio ao movimento francês.

MAX ROSSI/REUTERS

“Coletes amarelos, não desistam!”, escreveu o vice-primeiro-ministro e líder do Movimento 5 Estrelas (M5S), Luigi di Maio, num texto publicado no blogue do partido.

Alfa/Lusa/Expresso

Os dois líderes políticos do governo populista de Itália, Luigi di Maio e Matteo Salvini, manifestaram esta segunda-feira apoio aos ‘coletes amarelos’ de França, com o primeiro a exortá-los a “não desistirem” dos protestos.

“Coletes amarelos, não desistam!”, escreveu o vice-primeiro-ministro e líder do Movimento 5 Estrelas (M5S), Luigi di Maio, num texto publicado no blogue do partido (https://www.ilblogdellestelle.it).

O outro vice-primeiro-ministro italiano, o líder da Liga (nacionalista), Matteo Salvini, afirmou numa nota: “Apoio os cidadãos honestos que protestam contra um presidente que governa contra o seu povo”, acrescentando contudo condenar “com total firmeza” a violência nas manifestações, “que não é útil a ninguém”.

Di Maio, cujo movimento, criado em 2009, defende a “democracia direta”, também condenou “veementemente a violência” e ofereceu a ajuda do seu movimento, em particular da plataforma internet que utiliza, designada “Rousseau”, para ajudar os ‘coletes amarelos’ a “organizar eventos”, “escolher candidatos” ou “definir um programa eleitoral”.

“Rousseau” é uma plataforma interativa que permite aos militantes do M5S participar na definição de programas e redação de leis ou na escolha de candidatos do movimento a eleições locais e nacionais.

“É um sistema pensado por um movimento horizontal e espontâneo como o vosso e ficaremos satisfeitos se o quiserem usar”, escreveu Di Maio.

“Como outros governos, o de França pensa sobretudo em representar os interesses das elites, dos que vivem de privilégios, mas já não do povo”, escreveu, acrescentando, noutro passo, que “o Governo de [Emmanuel] Macron não está à altura das expectativas e algumas das políticas aplicadas são perigosas, não apenas para os franceses, como também para a Europa”.

“Em Itália conseguimos inverter essa tendência”, afirmou, apelando aos ‘coletes amarelos’ para que façam o mesmo.
“Uma nova Europa está a nascer. A dos coletes amarelos, a dos movimentos, a da democracia direta. É uma dura batalha que podemos travar juntos. Mas vocês, coletes amarelos, não desistam!”, concluiu.

Milhares de pessoas envergando ‘coletes amarelos’ têm-se manifestado em França desde 17 de novembro, um protesto que inicialmente exigia a suspensão de um novo imposto sobre os combustíveis e acabou por se ampliar a uma série de outras reivindicações.

Algumas dessas manifestações degeneraram em violência, com automóveis e contentores de lixo incendiados e confrontos com as forças policiais, que fizeram até ao momento 10 mortos e centenas de feridos.

No sábado passado, cerca de 50.000 pessoas manifestaram-se em toda a França, mais que na semana anterior, em que os manifestantes tinham sido cerca de 15.000, aumento que marcou uma inversão na tendência de desmobilização traduzida na redução sucessiva de participantes desde o primeiro protesto, que juntou 282.000 pessoas.


Opinions des lecteurs

Laisser un commentaire


Rádio Alfa FM 98.6 Paris (On Air)

La radio de la lusophonie et des échanges interculturels de toute l'île de France

Piste actuelle
TITRE
ARTISTE

Background