Covid-19: Emigrantes criticam falta de informação “atempada” para viagens a Portugal

Publié le 13 juillet 2020

Alfa/Lusa

O presidente do Conselho das Comunidades Portuguesas contesta a “falta de informação atempada” do governo português sobre o despacho que obriga quem viaja de EUA ou países lusófonos a fazer teste à Covid-19, 72 horas antes da viagem.

“O despacho [de 30 de junho] tem levantado dúvidas e por sair muito em cima [do período de férias] e entrar imediatamente em vigor já levou pessoas a terem de repetir o teste. Eu fui um deles”, afirmou o presidente do Conselho Permanente do Conselho das Comunidades Portuguesas (CP-CCP), Flávio Alves Martins.

Para Flávio Martins, o texto do despacho “é razoável e traduz uma preocupação real e legítima do Estado português de proteger os seus cidadãos”, porque a pandemia está “muito disseminada”, nomeadamente no Brasil e nos EUA.

Mas “precisávamos de informação mais pormenorizada” para não haver tantas dúvidas como as que existem sobre o documento.

No Brasil, quando o despacho de 30 de junho foi publicado, os conselheiros pediram esclarecimentos ao Consulado-geral de Portugal no Rio de Janeiro sobre o texto.

Além disso, o presidente do CP-CCP referiu que o documento já saiu tarde, muito perto do período de férias dos emigrantes.

“Na data em que o despacho sai já muitos emigrantes portugueses tinham a sua viagem de férias para Portugal marcada e teste feito”, referiu, mas como o diploma impõe um prazo de 72 horas antes da viagem, alguns tiveram de o repetir.

Quanto à possibilidade de quem não conseguir fazer o teste na origem da viagem, o poder fazer em Portugal, mal entra no aeroporto, “a expensas próprias”, como prevê o diploma, o presidente do CP-CCP considerou que esta é uma medida também razoável e uma “resposta a uma falha de outros países”.

O despacho conjunto 6756-C/2020 de 30 de junho, sobre prorrogação das medidas restritivas do tráfego aéreo com destino e a partir de Portugal, com determinadas exceções, é assinado pelos ministros de Estado e dos Negócios Estrangeiros, da Defesa Nacional, da Administração Interna, da Saúde, e ainda pelo secretário de Estado Adjunto e das Comunicações.

De acordo com o despacho, os passageiros dos voos oriundo dos EUA e países de língua portuguesa, “têm de apresentar, no momento da partida, comprovativo de teste ao covid-19, com resultado negativo, realizado nas últimas 72 horas antes do embarque, sob pena de lhes ser recusada a entrada em território nacional”.

Porém, “os cidadãos nacionais e cidadãos estrangeiros com residência legal em território nacional, que excecionalmente não sejam portadores de comprovativo do teste ao covid-19, com resultado negativo, nos termos do n.º 5, são de imediato encaminhados pelas autoridades de segurança competentes para a realização do referido teste a expensas próprias”, adianta o documento.

Na última quarta-feira, o deputado social-democrata José Cesário questionou o ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, no parlamento, sobre as condições da entrada em Portugal de cidadãos nacionais provenientes dos Estados Unidos e de países de língua portuguesa.

Em resposta, o ministro disse que os portugueses e estrangeiros residentes em Portugal oriundos de países lusófonos ou dos EUA poderão fazer o teste à covid-19 à chegada ao país, se não o conseguirem realizar antes da viagem.

Em declarações à Lusa, o deputado explicou que colocou aquela questão ao ministro porque tem recebido muitas queixas de portugueses, nomeadamente dos que vivem nos Estados Unidos da América, de que não conseguem realizar e obter o resultado dos testes nas 72 horas que antecedem a viagem, como é exigido.

O mesmo acontece no Brasil e nos países africanos de língua portuguesa, referiu o parlamentar social-democrata, que já ocupou o cargo de secretário de Estado das Comunidades Portuguesas em governos anteriores.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 566 mil mortos e infetou mais de 12,8 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência de notícias francesa AFP.

Em Portugal, morreram 1.660 pessoas das 46.512 confirmadas como infetadas, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.


Rádio Alfa FM 98.6 Paris (On Air)

La radio de la lusophonie et des échanges interculturels de toute l'île de France

Piste actuelle
TITRE
ARTISTE

Background