Emigração de médicos portugueses volta a disparar

Publié le 30 novembre 2019

Êxodo na Saúde – um trabalho do Expresso, por VERA LÚCIA ARREIGOSO. O ano deverá terminar com quase 400 pedidos para exercer no estrangeiro. A fuga de especialistas do SNS só foi maior em 2015

Mais médicos portugueses estão a emigrar

(Um artigo para ler na íntegra e na verão original, com mais fotos e entrevistas em expresso.pt, semanário versão digital ou na versão impressa do jornal)

 Precisamos recuar até aos anos da crise em Portugal para somar tantos médicos a caminho de sistemas de saúde estrangeiros. Até ao final do ano, os pedidos de certificados para exercer medicina fora do país deverão ficar perto de 400, pouco menos do que o recorde de 475 registado em 2015. As razões de quem sai são variadas, mas há uma comum a todos: a degradação das condições de trabalho no Serviço Nacional de Saúde (SNS).

O prognóstico da emigração médica poderá vir até a ser o mais negativo de sempre. Entre janeiro e agosto deste ano, e sem incluir os dados da região Norte — solicitados e sem resposta —, tinham chegado à Ordem dos Médicos (OM) 253 pedidos, 230 só na delegação Sul. A manter-se a média mensal de 32 solicitações, 2019 terminará com 381 saídas, a que se juntarão outras no Norte, com um número expressivo de profissionais. Contas feitas, não será difícil ultrapassar o valor mais elevado de sempre, as 475 saídas em 2015.

As opções para trabalhar fora do país não faltam e vão ser ainda mais. A Comissão Europeia estima que no próximo ano a Europa terá uma carência de 230 mil médicos. Ou seja, 13,5% das necessidades assistenciais dos europeus estarão por assegurar. Por exemplo, o atual primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, já prometeu contratar seis mil médicos em 2020 caso seja reeleito. Entre os candidatos vão estar muitos portugueses, pois o Reino Unido tem sido um dos seus destinos de eleição.

(…)

Entre os clínicos que informaram a Ordem sobre o local de destino, surgem outros países da União Europeia, como Alemanha, Irlanda, França ou Bélgica; mas também Suíça, Brasil, EUA, Canadá, Austrália ou até Suazilândia. Outro dado novo é que a emigração inclui agora profissionais em todas as fases da carreira, incluindo seniores com décadas de SNS.

(…)

O expresso relata vários casos e as razões da escolha da emigração são sobretudo ligadas aos ritmos de trabalho e ao nível do salários. É o caso do médico Alberto de Sousa, que se instalou em França:

“Com 35 anos e especialista em medicina geral e familiar, Alberto de Sousa está em França desde 2015. Trabalhou num centro de saúde na área de Viseu depois de especializar-se e durante mais de um ano esperou para entrar no SNS. Acabou por ser levado para o estrangeiro. “Em França já tinha um contrato — há hospitais públicos a contratar empresas para recrutarem especialistas — e em Portugal ainda nem sequer tinha aberto o concurso.”

“Com o ritmo de trabalho que tinha em Portugal não iria chegar com saúde aos 65 anos: racionar exames, fazer consultas de 15 minutos, não ter carreira, assumir uma lista de 1900 doentes e pedir uma consulta de outra especialidade e ter de esperar meses. Em França, decido quantos dias por semana quero trabalhar e em diferentes estruturas, no caso em regime livre como médico de família e a coordenar cinco lares da comunidade intermunicipal”, explica.

O salário também é outro. “Um médico ganha dois mil euros líquidos no início da carreira numa área urbana e cinco mil numa região carenciada, tendo isenção fiscal durante cinco anos. Em regime livre, como aqui funciona a medicina geral e familiar, trabalham-se quatro dias, veem-se 30 doentes e a remuneração ronda sete mil euros líquidos.” O médico conhece colegas portugueses em todo o mundo e muitos em França, como uma antiga diretora de anestesiologia da Maternidade Alfredo da Costa, Lisboa. “É grave quando também saem seniores.”

Continue a ler em expresso.pt, semanário versão digital)


Rádio Alfa FM 98.6 Paris (On Air)

La radio de la lusophonie et des échanges interculturels de toute l'île de France

Piste actuelle
TITRE
ARTISTE

Background