França: Inverno anuncia-se quente nas ruas

Publié le 9 novembre 2019

“Coletes amarelos” e sindicatos preparam manifestações e greves. Governo receia novos tumultos

Jérôme Rodrigues, luso-francês, continua muito ativo e a organizar manifestações – “o povo vive com dificuldades cada vez maiores”, diz

Alfa/Expresso. Por Daniel Ribeiro (artigo para ler na versão original no Expresso, edição semanal, em papel ou em expresso.pt – semanário)

O clima de tensão social regressa a França, com os “coletes amarelos” a anunciarem a preparação de ações “especiais em grande” — dizem dois dos seus líderes ao Expresso — para assinalar o primeiro aniversário do início do movimento, a 17 de novembro de 2018.

A agitação vai começar já este fim de semana, devendo agravar-se a meio do mês e crescer até 5 de dezembro, dia em que a crise social poderá ganhar contornos bastante mais vastos. A partir dessa data poderá ser mais complicado para o Governo francês. Algumas das principais centrais sindicais anunciaram manifestações e greves “ilimitadas” a partir da primeira semana de dezembro, designadamente nos transportes públicos, contra a revisão do sistema específico das reformas no sector. Nessas ações deverão participar os “coletes amarelos”.

Jérôme Rodrigues e Priscilla Ludosky, dirigentes dos “Coletes”, confirmam ao Expresso que o movimento estará presente nas manifestações sindicais. “Não estamos com os sindicatos, mas com as pessoas, vamos participar porque tudo piora e o povo vive com dificuldades cada vez maiores”, explica o ativista português, que perdeu um olho, em janeiro, numa manifestação na praça da Bastilha, em Paris.

Além da reforma do sistema das pensões — com que o Governo pretende avançar para um regime único e universal que acabe com nichos especiais, por exemplo nos caminhos de ferro —, outros diplomas estão a ser contestados. É o caso da nova proposta governamental sobre desemprego, que reduz os direitos dos desempregados aos subsídios.

O Presidente Emmanuel Macron, que há menos de um ano tentou travar a “revolta amarela” com cedências de mais de dez mil milhões de euros, pretende, com estas medidas, reequilibrar o défice do Estado para cumprir os tratados da União Europeia.

“NÃO SOMOS SELVAGENS!”

Os líderes dos “coletes” e os sindicalistas dizem que estas duas medidas reforçam a ideia de que “este é um poder que só pensa nos ricos”. “O direito ao subsídio de desemprego faz parte das nossas reivindicações”, explicam Jérôme e Priscilla. “Mas não somos apenas um bando de desempregados, somos algo muito mais vasto que transformou em profundidade toda a sociedade francesa, nomeadamente no domínio da solidariedade”, acrescenta o português.

A grave violência que deflagrou recentemente nas periferias de grandes cidades francesas — com vandalismo, incêndio de instalações públicas e ataques a forças policiais, designadamente na região de Paris — poderá ter que ver com a reforma do sistema de desemprego, que atinge com maior dureza a juventude dos subúrbios.

Priscilla, Jérôme e dois outros líderes dos “coletes” escreveram há dias uma carta a Macron, propondo-lhe uma reunião para discutir as reivindicações do movimento, que, desde há alguns meses, esteve em “modo pausa”, como explicou ao Expresso o advogado e escritor luso-francês Juan Branco, que apoia os militantes.

“Não somos um bando de selvagens!”, explica Jérôme, adiantando que listas dos “coletes” poderão concorrer às eleições municipais francesas do próximo ano. “Escrevemos e enviámos a carta ao Presidente e à comunicação social, mas ele não respondeu.” Organizaram assembleias por todo o país e, garante Priscilla, os “coletes” estão de novo preparados para “comemorar dignamente o aniversário” e regressar às ruas. Jérôme confirma.

Na carta endereçada ao Eliseu, pedem respostas para as desigualdades sociais e fiscais, a discriminação e a transição ecológica, e ainda para a repressão policial e a “discutível” imparcialidade da Justiça neste domínio.

COMO IR A FÁTIMA

Jérôme pede a condenação da polícia e indemnizações para ele e para outros — “por vezes apenas pessoas que estavam a ver as manifestações”, diz — que perderam olhos, mãos, dedos ou ficaram gravemente feridos na cara ou no corpo, durante os tumultos.

O luso-francês ficou sem um olho, mas não perdeu a energia combativa. “No que me diz respeito, vai-se andando, mas por vezes é complicado, a minha família inquieta-se, a minha filha de 14 anos também, todos têm medo pelo que me pode acontecer e há uma forte pressão do Estado sobre eles”, afirma.

Jérôme assegura que a luta dos “coletes amarelos” vai ser relançada e conclui com uma afirmação algo mística: “Ganho força no contacto com a malta, é como quando vais a Fátima (já lá fui três vezes), tocas numa pessoa e ela transmite-te algo de importante, é uma coisa impressionante, há qualquer coisa e muita humanidade no nosso movimento”.


Rádio Alfa FM 98.6 Paris (On Air)

La radio de la lusophonie et des échanges interculturels de toute l'île de France

Piste actuelle
TITRE
ARTISTE

Background