O horror foi há 25 anos. Não deve ser esquecido: 800 mil mortos, 10 mil por dia.

Publié le 7 avril 2019

“Honrá-los enquanto reconstruímos”: Ruanda homenageia vítimas do genocídio que ocorreu há 25 anos.

O presidente da Comissão da União Africana, Moussa Faki Mahamat, o Presidente ruandês Paul Kagame, a primeira dama Jeannette Kagame e o presidente da Comissão Europeia Jean-Claude Juncker, na cerimónia que assinala os 25 anos sobre o genocídio

BAZ RATNER / REUTERS

Cerca de dez mil pessoas foram assassinadas, por dia, num massacre que fez desaparecer 70% da minoria tutsi e mais de 10% da população ruandesa.

Alfa/Com Expresso

O Presidente do Ruanda, Paul Kagame, iniciou este domingo uma semana de cerimónias para assinalar as 800 mil vidas perdidas durante o genocídio que ocorreu há 25 anos. Cerca de dez mil pessoas foram assassinadas por dia num massacre que fez desaparecer 70% da minoria tutsi e mais de 10% da população ruandesa.

“Não existe forma de compreender completamente a solidão e a raiva dos sobreviventes e, ainda assim, repetidas vezes lhes pedimos para fazerem sacrifícios necessários para dar à nossa nação uma nova vida”, disse este domingo o Presidente ruandês. Kagame é acusado pela oposição de adotar “a ditadura” para controlar os media e a política, numa tentativa de proteger aquilo que considera ser “a soberania nacional”.

Junto ao memorial de Kigali, capital do país, vários artistas ruandeses cantavam músicas como ‘Turabunamira Twiyubaka’ — ou seja, “honrá-los enquanto reconstruímos”.

Durante a tarde, responsáveis do governo juntaram-se a uma marcha de duas mil pessoas desde o Parlamento até ao estádio nacional de futebol, que aí termina com uma vigília noturna. O evento vai contar com a presença do presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, e com uma dezena de chefes de Estado.

Foram essencialmente pessoas da minoria tutsi (e hutus moderados) que perderam a vida às mãos da maioria hutu. O massacre de três meses teve início a 6 de abril de 1994, depois do então Presidente Juvenal Habyarimana e o seu homólogo do Burundi Cyprien Ntaryamira, também hutu, terem sido mortos quando o avião onde iam foi atingido ao sobrevoar Kigali.

Os atacantes nunca foram identificados, mas o ataque motivou os militares do Governo hutu e milícias extremistas aliadas a planear o genocídio para eliminar a minoria tutsi.

Homens, mulheres e crianças foram espancados até à morte, queimados vivos ou mortos a tiro num massacre que só terminaria em julho de 1994, quando a Frente Patriótica do Ruanda ganhou o controlo do país.


Rádio Alfa FM 98.6 Paris (On Air)

La radio de la lusophonie et des échanges interculturels de toute l'île de France

Piste actuelle
TITRE
ARTISTE

Background