Portugal recebe cada vez mais estrangeiros e a grande maioria vem para trabalhar

Publié le 16 juillet 2019

“Portugal recebe cada vez mais estrangeiros e a grande maioria vem para trabalhar”, assinala um trabalho publicado no Expresso.

De acordo com este jornal , por exemplo “o Alentejo tem assistido à entrada de muitos trabalhadores vindos de países asiáticos para trabalhar em campos de agricultura intensiva”.

A taxa de emprego dos cidadãos estrangeiros em território nacional ultrapassa os 73%, está a subir desde a crise e ultrapassa a média europeia. Portugal destaca-se na integração de imigrantes de países terceiros no mercado de trabalho, sobretudo no Algarve, Centro e Alentejo, acrescenta o jornal, num texto assinado por  SÓNIA M. LOURENÇO.

Eis um extrato do longo trabalho do Expresso, que pode ler na totalidade em expresso.pt:

Depois dos anos ‘negros’ da crise, em que Portugal viveu uma nova vaga de emigração e, também, de saída de muitos estrangeiros que residiam no território nacional, o saldo migratório regressou a valores positivos em 2017 e reforçou-se em 2018. Como resultado, o número de estrangeiros residentes em Portugal cresceu 13,6%, totalizando 480.300 cidadãos com título de residência válido, o valor mais elevado já registado pelo Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) desde o seu surgimento, em 1976.

São brasileiros, cabo-verdianos, romenos, ucranianos, britânicos, chineses, franceses, italianos, angolanos e da Guiné-Bissau – só para citar as nacionalidades mais representativas – e, na sua esmagadora maioria, estão a trabalhar. É essa uma das principais conclusões da análise dos dados do Eurostat, a partir do inquérito ao emprego. A taxa de emprego dos cidadãos estrangeiros em Portugal, com idades entre os 20 anos e os 64 anos, atingiu, em 2018, os 73,2%, um valor próximo da taxa de emprego para os cidadãos nacionais (na mesma faixa etária), que se fixou nos 75,4%.

Há outras conclusões a retirar. Os dados indicam que esta taxa tem vindo a subir em Portugal desde a crise – em 2015 estava nos 65,6% – embora ainda esteja abaixo do registado antes da crise, já que em 2008 se situava nos 78,9%. Mais ainda, a taxa de emprego dos estrangeiros em Portugal fica bem acima da média da União Europeia (UE), que ficou pelos 66,8% em 2018.

Os números significam que “a maior parte dos imigrantes que Portugal está a atrair vêm, sobretudo, para trabalhar, sejam cidadãos comunitários ou não comunitários”, destaca José Carlos Marques, investigador do Centro Interdisciplinar de Ciências Sociais do Instituto Politécnico de Leiria.

É na integração dos cidadãos de países terceiros, não comunitários, no mercado de trabalho que Portugal mais se destaca. A taxa de emprego destes imigrantes (mais uma vez considerando a faixa etária entre os 20 anos e os 64 anos) atingiu 71,5% em 2018, o que compara com 59,2% na média da UE e é o nono valor mais elevado entre os 28 Estados-membros. Quanto à taxa de emprego dos cidadãos comunitários em Portugal situou-se nos 78,3%, mais uma vez acima da média da UE (77,1%), mas por uma margem muito mais pequena, colocando o país na décima posição entre os 28.


Rádio Alfa FM 98.6 Paris (On Air)

La radio de la lusophonie et des échanges interculturels de toute l'île de France

Piste actuelle
TITRE
ARTISTE

Background