O procurador de Trapani, na Sicília, que fez a acusação, disse, na altura, que a investigação não tinha ligação à não assinatura do código, mas afirmou à Reuters ter provas “de encontros entre traficantes, que escoltaram imigrantes ilegais até ao Iuventa, e membros da tripulação”.