Violência está de volta no Dia Nacional francês

Publié le 14 juillet 2019

Desacatos e chamas regressaram a Paris. Violência está de volta no Dia Nacional francês

Uma casa de banho portátil arde junto ao Arco do Triunfo. Manifestantes assobiaram Macron e foram afastados com recurso a gás lacrimogéneo, envolvendo-se depois em confrontos com a polícia

PASCAL ROSSIGNOL

“Coletes amarelos” vaiaram Macron durante a Parada militar oficial. Findas as cerimónias, Macron, Merkel, Marcelo e outros convidados foram almoçar ao Eliseu. Nos minutos seguintes, a violência regressou à avenida dos Campos Elísios, onde a revolta começou há oito meses. 152 pessoas foram detidas, entre elas, o lusodescendente Jérôme Rodrigues, que fica em prisão preventiva.

Alfa/Expresso. Por Daniel Ribeiro

A avenida dos Campos Elísios era desde esta manhã uma das artérias urbanas mais vigiadas do mundo.

O desfile militar oficial do dia Nacional de França foi imponente, a demonstração da força de fogo e de guerra da França foi impressionante e até incluiu a exibição de robôs e de um homem-voador.

O Presidente Emmanuel Macron foi vaiado por várias centenas de “coletes amarelos”, mas pensava-se que a contestação tinha ficado por aí e pela detenção de 152 manifestantes, entre eles, alguns líderes revoltosos, como Jérôme Rodrigues, Éric Drouet e Maxime Nicole.

No entanto, apesar da solenidade do momento, dos numerosos convidados estrangeiros de renome, das forças armadas, e dos batalhões de forças de segurança e de polícias de choque, a violência regressou à célebre avenida, onde foram erigidas barricadas, lançadas pedras e gases lacrimogéneos e destruídas, de novo, algumas montras de lojas de luxo.

Manifestantes envolveram-se em confrontos com a polícia, após o desfile de celebração do Dia da Bastilha

Manifestantes envolveram-se em confrontos com a polícia, após o desfile de celebração do Dia da Bastilha

SOCIAL MEDIA

Até o Fouquet’s, o famoso restaurante dos Campos Elísios que pretendia reabrir as portas este domingo, depois de meses de obras de restauro no seguimento de um ataque e de um incêndio, dos “coletes”, se manteve fechado. Às 17 horas locais (menos uma hora em Lisboa) o “Fouquet’s não tinha reaberto – À porta havia manifestantes e polícias, frente a frente.

Paris voltou a viver cenas de guerrilha com incêndios e barricadas nas ruas na sua zona mais nobre, na sua sala de visitas, na “mais bela avenida do mundo”, como dizem os franceses.

Os números de manifestantes presos eram, a meio da tarde, muito provisórios porque os incidentes e confrontos continuavam. Quanto a alguns dos detidos, o Expresso soube que o lusodescendente Jérôme Rodrigues ficará em prisão preventiva, bem como outro dos líderes do movimento, Maxime Nicole, cujo advogado é Juan Branco, filho de pai português e mãe espanhola.

Ambos são acusados de “organização de manifestação proibida”, informou o filho do produtor de cinema, Paulo Branco, ao Expresso.

Juan Branco, formado nas escolas das elites francesas, apoia os “coletes amarelos” e disse há dias numa entrevista à revista E, do Expresso: “Os coletes amarelos levaram a cabo uma batalha organizada. Verificou-se uma inteligência coletiva, e agora estamos numa espécie de trégua, porque não houve vitória nem de um lado nem do outro”.

Casal protege-se da polícia após confrontos com manifestantes durante o Dia da Bastilha

Casal protege-se da polícia após confrontos com manifestantes durante o Dia da Bastilha

PASCAL ROSSIGNOL


Rádio Alfa FM 98.6 Paris (On Air)

La radio de la lusophonie et des échanges interculturels de toute l'île de France

Piste actuelle
TITRE
ARTISTE

Background